quarta-feira, 28 de outubro de 2009

Ainda bem que meus amigos tem memória boa...


Quem me lembra deste caso é minha querida amiga Dadá, lá de NY. Vamo lá !
-----------------------------------------
Quando trabalhei no Iraque, como já disse, aconteceram coisas que vocês acreditem se quiserem. Não me zango se alguém pensar que tô mentindo.

A maior parte da mão-de-obra da obra, era de brasileiros, desde a diretoria até o mais simples peão - nome dado às pessoas que trabalham no trecho (como é chamada a obra).
Confusão !

Como podem imaginar, tinha gente do Brasil e do mundo inteiro. Muita gente do nordeste, norte, sul, uma Torre de Babel. Esse povo todo foi pra lá.... tô fugindo do assunto, então conto a história da miscelânia de raças outra hora.

Bom! Era recrutado um Mané lá do Maranhão, por exemplo. O cara descia aqui pra Minas Gerais de ônibus. O tempo que ele gastava nessa peleja, era maior do que o tempo que levava pra chegar no Iraque. E não foi nem uma nem duas vezes, que peões foram resgatados na estrada, malinha na mão, saindo da obra e querendo ir pra Bagdá pegar um ônibus pra voltar pra cá. Por que um ônibus? Fácil de entender.

O Mané entrou no avião à noite e amanheceu do outro lado do mundo. Nunca havia andado de avião e não tinha noção que havia atravessado o Atlântico. Portanto, muito natural. Tanto fazia pegar um ônibus ou avião. Ele queria era sair dali. Voltar pra casa.

Houve também muito peão perdido. Se o vôo fazia escala, a confusão tava formada. Neguinho descia, ia pro hotel e de lá saía achando que tava em Sertãozinho do Amparo. Sem lenço nem documento, sem saber que existia uma língua e uma moeda diferentes, ia conhecer a cidade. Passear, aproveitar pra se divertir. E voltava pro hotel escoltado pela polícia, claro! Isso, quando não era acionada a Embaixada ou escritório da empresa no Brasil.

Foi aí que nossa empresa fez um tratado com a Iraq Airways e criaram um vôo direto Rio/Bagdá. Acabou a mordomia de passar uns dois dias em Londres ou Paris, mas o problema foi sanado.
O avião era um canudo fino e a cor era verde. Adivinha qual o nome que ganhou no primeiro vôo?

Pepinão.

Acham que tô aumentando? Inventando? Eu só tô começando a contar os causus...






Nenhum comentário:

VEJA TAMBÉM

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...