sábado, 31 de julho de 2010

Podexá, que eu te aviso... Fico de olho!

Quando morei na França, fui apresentada à uma revista muito legal que se chama Que Choisir ( o que escolher ) que informa sobre, não importa o quê, e, se aquele produto, é uma boa escolha/compra; desde helicópteros, cremes pro rosto, alimentos em geral, bicicletas e computadores, até pneus de carros. Tudo! Fazem pesquisa, analisam e passam o resultado pro cliente, dizendo qual é o melhor produto e qual o melhor preço. Evidente que não tem anunciantes e a revista se sustenta com a grana das assinaturas. Pensei em assinar, quando voltei pro Brasil, mas, não ia fazer muito sentido, porque, apesar da aldeia global que virou este mundo, muita coisa não temos aqui ou, se temos, são feitas de uma forma diferente; adaptados pra nosso país.
Então, fui procurar se não existia alguma coisa parecida na terra brasilis. E não é que tem? Tal e qual e fazem um trabalho com muita seriedade. A revista se chama ProTeste.
Nem vou repetir o que fazem porque, a idéia inicial, é a mesma da revista francesa. Aliás, não sei quem nasceu primeiro, nesse caso, ainda não investiguei se foi o ovo ou a galinha.
Então, querido amigo leitor, a partir de agora, tive a idéia de passar, pra você, o assunto ou assuntos, que mais me interessarem em cada revista que receber.
E vou começar falando sobre o Guaraná Antárctica-Açaí.
Transcrevo da revista.
"De acordo com a sua rotulagem, essa bebida tem as mesmas características do guaraná tradicional. O guaraná com açaí, lançado recentemente pela Antárctica, em muito pouco difere da versão original. Analisamos a rotulagem dessa bebida e concluímos que ela não é mais saudável que o guaraná comum. Suas características são de um refrigerante como qualquer outro: cheio de açúcar e sem nutriente algum."
Outra dica:
Eu adoro Cottage! Como muito! Misturo com salsinha, cebola ralada, pimenta-do-reino, azeite - invento moda - ou como natural também. E, no último número da Proteste, eles alertam sobre as diferenças significativas no teor de gordura entre os queijos cottage testados. Se você faz dieta, fique de olho! Não vou transcrever a reportagem toda, claro, mas vou passar o resultado final, que é sobre a escolha certa. Se alguém quiser saber mais, é só me pedir e, lá embaixo, vai o link sa revista.
" Melhor, em qualidade e preço, pela ordem: Boa Nata - Damatta - Balkis - Taeq Ligth - Tirolez - Cristina - Quatá - Carrefour Viver Ligth."

sexta-feira, 30 de julho de 2010

Saudades do Paulinho Pedra Azul.

JURO

Se for mentira
o que sinto por você,
pergunte ao mundo.
Coloque nos jornais,
nas rádios e nas TVs.
Só assim você verá,
que esse amor, eu sinto.
Não minto.
Coloque faixas nas ruas.
Ande num carro de som.
Ponha a boca no trombone.
Me chame em qualquer tom.
Se for mentira o que sinto,
Chame a Polícia Federal.
Solte os cachorros.
Suba nos morros.
Pergunte ao sabiá.
Passe por qualquer lugar,
que o meu amor, lá estará.

Do livro - Dois Mundos, de Paulinho Pedra Azul.

quinta-feira, 29 de julho de 2010

Nossos pais e os tempos modernos.

Conversando com uma amiga hoje, comentávamos sobre a forma que nossos pais foram se adaptando aos computadores, câmeras, aparelhos em geral. Ela falava com o pai pelo msn e me disse que ele escrevia exatamente como se fala : com todos os pontos, vírgulas, frases inteiras e palavras idem. Fica muito engraçado e, quando ele resolve modenizar, aí é que fica mais engraçado ainda.

- Então, minha filha, como você está indo? Todos bem de saúde? E o marido, vai bem?
- Blz pai
E por aí ia.
- Sua mãe e eu estamos indo muito bem, também; com as ziquiziras e dores de velhos, mas estamos levando.
Isso tudo catando letras. Imaginem o tempo pra escrever uma frase longa dessa !
E não adiantava dizer:
- E aí, pai, chic?
Ele não sacava a segunda intenção da frase dela e respondia tudo dentro dos conformes.


Me lembrei de meu pai, que, infelizmente, ficou na carta, não teve tempo de conviver com computadores. Escrevia cartas lindas ! Escrevia muito bem e todas as cartas sempre começavam assim:
Belo Horizonte, tanto do tanto de 1900 e tanto.
Iêda
Saúde!

E meu irmão - muito gozador - dizia que, sempre que recebia uma carta dele, já abria espirrando, porque o "Saúde!" era certo. Ele era do tempo que, desejar saúde pra uma pessoa, era o melhor desejo que poderia existir. Bons tempos!

Outro pai muito engraçado, muito fôfo, é de um outro amigo. Não sei o que ele achava que era um secreta-eletrônica mas, sempre que ligava pro filho e, a secretária eletrônica (hoje, caixa de mensagem) atendia, ele dizia:
- Olha, fala pra ele que tem muitos dias que ele não vem aqui em casa; que é pra ele passar à noite pra jantar conosco.
E assinava o recado finalizando e dizendo assim:
- Diz pra ele que é o pai dele. Seu pai.

Outro pai de amigo, falava pra secretária-eletrônica, pausadamente, tipo, "vou falar devagar pra dar tempo dela escrever tudo" rsrs e dava seu recado:

- Su-a mãe es-tá com sau-da-des e pe-diu pa-ra di-zer que vo-cê pre-ci-sa pas-sar a-qui em ca-sa.
Esse também assinava o recado.
- Papai.

Já outra mãe, toda vez que ligava pra filha e quem atendia era a secretária eletrônica, ela desligava. Quando dizia pra filha que tinha ligado várias vezes e não conseguiu falar com ela, a filha dizia:
- E por que não deixou recado na secreta?
- Odeio secretária-eletrônica!

quarta-feira, 28 de julho de 2010

Será que tô chegando muito atrasada?


Comigo é assim : ou 8 ou 80 - ou eu chego super na frente com alguma moda ou só tomo conhecimento depois que todos já enjoaram.

Só nesse fim de semana, descobri esse músico grego. E me encantei com ele, com sua mega-banda e com sua turma de cantores. Uma doideira o som ! Pode ser que as circunstâncias, em que eu o conheci, tenham dado uma grande ajuda, mas, não sei não, porque, se fosse um som ruim, o desastre teria sido nas mesmas proporções.

Fui conhecer o home-theater de uns amigos (uma sala que coloca muito cinema no bolso) : imagem e som de super ponta. E fui logo, de cara, apresentada ao som do Yanni, este grego que nasceu em uma família de músicos, aprendeu a tocar teclados de ouvido, não lê nem escreve música da maneira tradicional e criou seu próprio método. Um maluco !

Vamos ver se você que, também não o conhece, vai achar legal. Coloquei uns vídeos do Youtube, só pra te dar uma pequena amostra do som do cara.

http://www.yanni.com/

terça-feira, 27 de julho de 2010

Dois convites de uma só vez : ler o livro e conhecer o museu.


Quando eu nasci, Annelisse Marie Frank já tinha vivido sua curta vida : em 15 anos, tinha sido uma criança feliz, tido uma família amorosa, vivido tempos de guerra, se escondido com sua família por 2 anos, escrito um diário que se tornou famoso no mundo inteiro e morrido de tifo em um campo de concentração.
Isso é que é viver intensamente!
E, na minha adolescência, todos leram "O Diário de Anne Frank." Foi uma Bíblia da minha geração, como também foi "Cleo e Daniel" do Roberto Freire (Esse merece um outro post. Falarei sobre a guinada que aconteceu em minha vida depois de ler esse livro).

O local onde a família de Anne Frank, e outras quatro pessoas, viveram para se esconder dos nazistas, ficou conhecido como Anexo Secreto e tornou-se um famoso museu, após a publicação do diário. Nesse diário tem uma reprodução das condições em que os moradores do Anexo Secreto viviam e é apresentada a história de seus oito habitantes e das pessoas que os ajudaram a se esconder durante a guerra. Um dos itens, apresentados ao público, é o diário escrito por Anne, que viria a se tornar, mundialmente famoso, após sua morte, devido à iniciativa, de seu pai Otto, de publicá-lo. Hoje é um dos mais famosos símbolos do Holocausto (dos oito habitantes do Anexo, o único sobrevivente após a guerra foi Otto, pai de Anne).
Subir as escadas desse museu pra conhecer o "Anexo", ver os objetos resgatados da época, me deu uma imensa melancolia, misturada com raiva e ódio das injustiças do mundo, orgulho dessa garota valente, quer dizer, uma mistura de sentimentos. Saí da casa meio atordoada e, mais uma vez, peguei o livro pra reler.


Amo essas velhas fotos que, hoje, mais de meio século depois, já podem ser chamadas de antigas.


Se você ainda não conhece o museu e a vida de Anne Frank, te convido a ir atrás dos dois: o livro é mais fácil e, o Museu, fica incluído na sua lista de favoritos, quando for a Amsterdam, na Holanda.

PS.: quem pegou o meu diário da Anne emprestado, bem que poderia devolver...

segunda-feira, 26 de julho de 2010

Museu medieval em Nova York. Você já foi?


Esse passeio, em Nova York, é diferente de tudo que a gente faz por lá. Sai do circuito Manhattan, compras, comilança, Times Square, modernidade.

Você vai subir até a rua 190, da Ilha de Manhattan, pra conhecer um museu medieval : o Closters Museu. É bem interessante !







Uma boa idéia é levar tralhas e fazer um picnic (se não for inverno, claro!). O museu tem lanchonete, mas levar lanches é super simpático e tem lugares deliciosos pra sentar e comer na boa.

Olhe que bonita, que fica, a região no outono.


Resuminho da história do museu.

O The Cloisters (claustros, clausura ) é uma divisão do The Metropolitan Museum of Art dedicada à arte e à arquitetura da Europa medieval e foi montado a partir de elementos arquitetônicos (tanto domésticos como religiosos) que datam do século XII ao século XV. O edifício e seus jardins enclausurados - situados em Fort Tryon Park, ao norte de Manhattan - são, eles próprios, parte da coleção ali abrigada. O acervo do The Cloisters inclui cerca de cinco mil obras de arte da Europa medieval, que datam, aproximadamente, do século IX ao século XV.

É super fácil de ir e é um passeio pro dia todo. Mastigadinho pra você aí vão os mapas de metrô e de ônibus da cidade.

Você vai pegar o trem A e descer na estação 190th Street e sair da estação pelo elevador. Andar para o norte na Margaret Corbin Drive por cerca de dez minutos ou pegue o ônibus M4 e vá até o próximo ponto no sentido norte (eu fui a pé).
Se estiver vindo lá de baixo da ilha, pode também pegar o ônibus M4 diretamente na Madison Avenue/83rd Street até o ponto final. Esta última opção levará mais tempo, mas você tá passeando e, em cima da terra, é muito mais interessante. Olhando assim, parece complicado, mas não é não; com a vantagem que NY é uma cidade plana, então dá prazer em caminhar por lá.
O ingresso pro Closters dá direito a entrar no Metropolitam, no mesmo dia, mas aí, pra mim, já não é mais passeio, é maratona. Tô fora!
E atenção : o Museu fecha segunda-feira.
Ótimo passeio !

domingo, 25 de julho de 2010

Preguiça! Blogueira descansando


Enquanto isso, no Planalto, muita gente de quatro fingindo que está apenas procurando a lente de contato. Millôr.

sábado, 24 de julho de 2010

África do Sul sem futebol, vista pela TT.

Tereza na porta da casa do Sr. Nelson Mandela
Casa antiga do Sr. Mandela

Quarto dele.

Monumento símbolo de Soweto






Cela onde ficou Nelson Mandela





Continuando o relato da TT. Depois de sair do aeroporto.

Aliviada e exasperada, corri pra estação pra pegar o Gautrain recém-inaugurado para a Copa, que iria até algumas partes da cidade.
A moeda de lá é o Rands. R$ 1,00 equivale a 4 rands.
O preço do bilhete foi por volta de R$ 20,00 e a viagem durou uns 15 minutos. Trem rápido e a minha amiga me esperava na estação de Sandton vestida da cabeça aos pés de Brasil : camiseta, boné, bandeira, kit completo.
E a festa começou pra só acabar no final do dia. Fomos pra casa dela (ela mora com uma amiga). Já fui fazendo também amizade com sua cadelinha Cairn Terrier, que nos esperaria com pulos e lambeção todas as noites depois de retornarmos dos nossos passeios. Amo animais (o contrário da amiga, dona do blog...rs).

Naquela noite fomos assistir ao jogo Brasil X Holanda. Se não fosse o gol contra do Felipe Melo, o resultado poderia ter sido diferente, mas as minhas férias foram planejadas pra eu ser feliz, então, nada iria estragar o prazer e o luxo, que tive de poder contar com estas duas grandes amigas, que me acompanharam por onde e a hora, que gostaria de ir. Nem Copa do Mundo.
Baixamos para Soweto no dia seguinte antes do almoço. Sempre ouvi muito falar deste lugar e jamais esperei, que pudesse andar por lá em alguma época da minha vida. Uma emoção só.
Este passeio foi muito especial pra mim, pois estava visitando um local com muita história durante o período do Aparteid. Foi onde houve vários eventos, greves, tragédias, para que o país hoje pudesse viver a democracia que vive.
Em Soweto tem a rua aonde moraram 2 pessoas que receberam o Prêmio Nobel da Paz - Nelson Mandela e Desmond Tutu - e também onde aconteceu uma das piores tragédias da história do Aparteid, no dia 16 de Junho de 1976 : em torno de 140 crianças e adolescentes - sendo que o mais velho com 14 anos - foram assassinados, porque estavam fazendo uma manifestação, em frente à escola onde estudavam, contra a introdução do ensino obrigatório do Afrikaans - língua com 90 a 95% de origem holandesa.
A casa do Nelson, hoje, é um museu aberto para visitação.

Chegando em Soweto já estacionamos na histórica e popular Vilakazi Street, subúrbio de Orlando West. Foi nesta rua que o menino Sul Africano Hector Pieterson, de 12 anos, foi baleado e morto num dos piores confrontos ocorridos em Soweto, durante o Apartheid.
Almoçamos no Sakhumzi, depois de visitar a casa do Nelson Mandela. Sentamos numa das mesas do lado de fora para não perder o movimento, que era grande por causa dos turistas que vieram pra Copa do Mundo.
O restaurante serve vários tipos de pratos, mas o mais interessante era o bufê parecido com o nosso, com salada, frango, cozido com tripa, bife, etc. A sobremesa principal era um bolo típico Sul Africano chamado Malba servido com custard - creme ingles ou sorvete. O ambiente é super agradável e as garçonetes simpáticas e prestativas. Prato do dia custa em torno de R$ 25,oo. Pagamos - 3 pessoas - pelo bufê com 1 cerveja, 3 Cocas e sobremesa, 450 rands, em torno de R$ 110,00. Achei bom o preço, principalmente, porque era tempo de Copa e turista saindo pelo ladrão.
Quando terminamos de almoçar, pedi pra falar com o dono do restaurante Sakhumzi Maqubela - nascido em Soweto. Ele tava sentado com mais uns 10 amigos e, quando disse que gostaria de saber um pouco sobre o restaurante, para uma amiga, que mora no Brasil, colocar no blog dela, já foi logo me convidando pra sentar na mesa com os amigos e ofereceu uma cerveja. Povo esperto, deve ter pensado : "se é pra fazer marketing do meu restaurante vou convidá-la para uma cerveja..." hehehe.
Me contou sobre a história do restaurante, que pode ser lida no site, mas, traduzindo a parte principal, o restaurante foi inaugurado em Novembro de 2001. Ele deixou o trabalho bem sucedido em um Banco e juntou todas as economias para investir no negócio.

Fomos visitar tambem o Museu de Hector Pieterson - o garoto virou um símbolo da luta contra o Apartheid.
O museu é muito explicativo com bastante detalhes das centenas de acontecimentos durante o regime racista do Apartheid. O mais chocante de tudo, fica num pátio do lado de fora, uma área com plaquinhas de granito representando cada menor, que morreu durante o protesto, com nome e data de nascimento.

Fiquei uma semana por lá, mas sinto vontade de voltar pra conhecer melhor. Muito mais coisa pra ser vista.

sexta-feira, 23 de julho de 2010

Isso voa? Então tô dentro !


Curiosidade é uma coisa curiosa...dãn. Ano passado, esperando no aeroporto de Nova Deli-Índia, o voo pra Paris, num determinado momento, comentei com minha sobrinha e amigas que viajavam comigo : "Engraçado esse aeroporto, todo moderno, novo, lindo e essa sala de espera com esse mundão de gente. Será que pelo nosso portão vai entrar esse povo todo e, depois dessa porta, eles vão cada um tomar seu rumo?" E quando fomos chamados pra entrar, vi que todos estavam indo pra mesma direção e pensei: "Que porra de avião é esse, que vai caber tanta gente?"
Era o tal do A 380. Quantas pessoas dariam tudo pra estar no meu lugar e eu, a songa monga, nem aí. E pior ainda : entrei, sentei e fiquei no meu lugar até sair em Paris. Roncando. Não tive a menor curiosidade de sair fuçando pra baixo e pra cima pra conhecer as dependências daquele monstro voador. Se é que pode sair fuçando o monstrengo. Realmente, máquina não me tesa. Talvez se, em outra viagem voar novamente nele, vá querer dar uma voltinha. Só me lembro que da entrada eu olhei lá no fundo e nem com binóculo conseguiria ver a cara do povo do último assento. Grande pra cacete !

Clique nas fotos que elas aumentam de tamanho.
E, esse bicho esquisito, voa paradim no ar. Nem trisca. Você pensa que tá sentado na sala da sua casa.

Bom, o mesmo não aconteceu com minha amiga, que mandou pra nós o relato que vem aí abaixo. Ela saiu da Suíça onde mora, foi pra Paris e de lá pra África do Sul nesse baita e, um mês antes, já não dormia de tanta vontade de conhecer o danado. Foi ver ( desculpe a palavra ) o Brasil jogar.

Este é o relato dela.

Depois de voar no super airbus A380 Paris-Johannesburg para a Copa do Mundo voltar no Boeing 747 para Genebra, via Amsterdam, me fez sentir um Santos Dumont dentro do seu 14 Bis. O povo se acostuma fácil com coisa boa.
Sempre quis conhecer a Africa do Sul e, recentemente, uma amiga que mora em Johannesburg me fez uma proposta irrecusável.
- Você gostaria de assistir ao vivo um dos jogos da semi-final da Copa do Mundo, em Durban?
- Peraí, vou pensar. Sim.
Amo planejar viagens, mesmo se for a trabalho. Daí comecei a procurar passagens pela internet e a trocar e-mails com a amiga sobre a nossa programação, durante a minha estadia lá.
Já há bastante tempo, compro minhas passagens aéreas ou pacotes de viagem pelo www.opodo.fr ou Expedia.fr e nunca fui deixada na mão. Claro que, nesses dois, não existe pagamento parcelado como no Brasil, tem que ser na lata : reservou, pagou com cartão de crédito.
Nessa viagem, tava determinada que experimentaria o A380; queria uma viagem cheia de emoções. A Air France tinha uma tarifa muito em conta pela www.Opodo.fr, ida e volta saindo de Genebra onde moro - em torno de 1.250 euros - o voo no A380 seria a conexão Paris - Johannesburg.
Comprei a passagem e não parei de falar pra a família, amigos e colegas de trabalho sobre a minha aventura, coitados, tiveram que me aguentar uns 40 dias antes da viagem, não falava noutra coisa.
Para o alívio de todos, o dia da viagem chegou : 1 de Julho.
Depois do voo normal Genebra - Paris, cheguei ao Charles de Gaule, me dirigi a sala de espera, ou seja, várias salas de espera para acomodar tantos passageiros e algumas pessoas já estavam fazendo filas, umas para o andar de cima e outras para o andar de baixo.
No começo das filas tinha um seating plan ( mapa do assento ) - eu só tinha visto isso em grandes jantares ou em conferência de trabalho (assim você saberia em qual mesa sentar). No caso do avião, qual fila que me levaria até meu assento e tinha uns 6 guichês pra atender os 539 passageiros. Isto mesmo !
Finalmente, entrei e, para o azar do comissário de bordo que atenderia minha seção - a última lá atrás - naquela noite, teria uma passageira chata que queria saber tudo sobre a aeronave e, para a minha sorte, ele foi super simpático e me respondeu tudo que queria saber.

Como cada companhia aérea faz seu projeto pra dentro do avião, quer dizer que, se você conhece um, não quer dizer que já viu todos. Este que voei tinha 538 assentos (442 na classe econômica e o resto dividido entre primeira classe e classe executiva).

O voo tava lotado e uma coisa me chamou a atenção : o barulho do motor era bem mais baixo do que das outras aeronaves. Fui dormir e acabou a novidade.
Depois de uma viagem de 10 horas e meia, chegamos em Johannesburg quase 11 horas da manhã.
Enquanto esperava minha mala, algo interessante aconteceu comigo : tinham vários seguranças acompanhados de cachorros, cheirando malas de todos, procurando drogas e, um deles (digo, um dos cachorros), cismou com a minha bolsa de mão e não parava de cheirá-la, numa animação danada, pulando, querendo ver o que tinha dentro, mas o segurança não insistiu. Deve ter pensado "essa moça, com essa cara de mineira, não estaria carregando droga" e tentou levar o cachorro para a próxima mala, mas ele insistiu e não arredou o pé - cretino - daí o segurança teve que fazer a obrigação dele : abriu minha bolsa e todos que estavam ao meu lado ficaram me olhando. Por um minuto me passou aquele pensamento, de já ter acontecido com alguém ou visto em filmes, de alguém ter colocado droga na minha bolsa sem eu perceber... foram 3 longos minutos de ansiedade e eu querendo saber o que tinha na minha bolsa que o maldito cachorro tinha gostado tanto : eram chocolates suiços que levava de presente pros amigos.

Cachorrinho de bom gosto !
Próximo post : algumas impressões sobre a África do Sul.

quinta-feira, 22 de julho de 2010

A terra vista do céu - As fotos que gostaria de ter feito!

Olhe que linda a foto feita em Burquina Faso, na África ! Mulher e filho em cima de flocos de algodão, ainda com a semente.
Abro minha apresentação do Sr. Yann, com esta foto que adoro!

Yann Arthus-Bertrand é um jornalista e ambientalista francês, que se dedica a tirar fotos de cima; sempre de helicóptero. Já fotografou grande parte do mundo e sempre mostrando os lugares por ângulos que, provavelmente, teríamos pouca chance de conhecer. E acabou fotografando, inclusive, desastres e a força da natureza, por estar, coincidentemente, no local na hora do acontecimento, como deslizamentos de terra, soterramentos e vulcões. Felizmente, as paisagens mais lindas e inusitadas são predominantes nesse mundão velho de Deus. Quando entro no site, fico pulando de um país pra outro e sempre descobrindo fotos novas. Me lembro de uma exposição dele em Paris, no Jardim de Luxemburgo, que foi um sucesso. E tive oportunidade de ir, mais de uma vez, podendo assim aproveitar bem. E levei amigos.
Foram feitos posters enormes de várias fotos e elas foram colocadas nas grades, que circundam o Jardim. Ficou lindo ! E, o que mais me encantou, foi a oportunidade de qualquer pessoa poder ver e o disse-me-disse que virou : as pessoas comentavam umas com as outras, perguntavam - "Você já viu aquela tal?", "Precisa voltar e prestar atenção nisso ou naquilo", então, todos ficavam indo e vindo na calçada. E, ao lado de cada foto, tinha a história dela : quando e como foi tirada, inclusive com foto do Yann fazendo a foto. Um barato! E, na entrada do Jardim, foram armadas tendas, onde ficavam passando os filmes do make-off. O pessoal fazia turnos pra assistir (tipo, uns 15 a 20 minutos cada filme). O maior entra e sai. E também tinham tendas vendendo os trabalhos : livros, posters, tudo. Tudo carinho, mas de um valor sem fim.

Ele já veio ao Brasil, com sua exposição, mais de uma vez. Se quiser saber por onde anda a exposição, entre no site e veja o roteiro. Quem sabe não tem uma onde você está agora? Vai lá.Esta é uma foto da Floresta Amazônica depois de uma tempestade, com o belo arco-íris que formou. Há mais de 20 anos que conheço o trabalho do Sr. Yann e não me canso de admirar. É até difícil escolher algumas entre as centenas de fotos maravilhosas que ele faz, pra colocar aqui e mostrar pra você.
Essa foto é de um acampamento de nômades no Afeganistão.

Corrida de Fórmula 1 em Mônaco.

Floresta do Canadá, no outono. Quando a gente tem a oportunidade de ver a floresta, por um ângulo assim?
Essa foi feita na Costa do Marfim. Segundo o Yann, era uma festa de rua e ele tentou, por muito tempo, tirar a foto da multidão, mas, não conseguiu do jeito que queria, porque todos sorriam e davam adeus pra ele no helicóptero, então desistiu e bateu a foto da multidão acenando.
Olhe a pirâmide do Louvre vista de cima. Linda !
Não conhece Paris? Então agora deu pra entender direitinho onde fica a Notre Dame, e viu as duas ilhas que são formadas, pelo Rio Sena, em pleno centro da cidade.
Essa foto eu tenho tirada do chão : Éfesos, na Turquia; pertim da casa de Nossa Senhora. Quero voltar, rever e aproveitar mais um pouco da beleza que é esse sítio arqueológico. A Biblioteca de Celsius, conserva a fachada quase intacta. Como um milagre!
Já comprei e naveguei por essas águas na Tailândia : o Mercado Flutuante. Já falei aqui sobre ele. Muito interessante. Muito mesmo!
Você pode fazer fundo de tela com sua foto preferida, ou mandar um cartão postal também. Muito legal !

VEJA TAMBÉM

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...