sábado, 16 de julho de 2011

Restaurante Popular da Câmara Municipal de Belo Horizonte

No prédio da Câmara Municipal de Belo Horizonte, tem um anexo onde existe um restaurante popular. Semana passada fui até a Câmara pra pegar um documento, então resolvi entrar pra conhecer. Era horário do almoço e pensei; vou  aproveitar e comer. Sempre tive curiosidade de comer nestes restaurantes populares, com preço super pequeno. O preço é 2 reais e a Prefeitura ou sei lá quem paga o resto. Evidente que só com 2 reais não dá pra fazer uma refeição.
Comecei tirando fotos da entrada do prédio, do cardápio da semana e do dia. Já desanimei um pouco, porque como não como carne e tinha dobradinha com cenoura e paio, foi o primeiro empaca. Mas, tem opção de 2 ovos fritos pra quem não quer a carne. Legal. Eu ia colocar na bandeja a carne de qualquer maneira pra fotografar, mas não rolou. Demais pro meu pobre coração e estômago. Pedi os ovos, no que não adiantou muito. Saca ovo frito,  que fica parecendo ovo de plástico? Duro e brilhante? Pois é.
Já não gostei de pegar a bandeja molhada. Não era uma gotinha de água. Era molhada mesmo! Não tive coragem também de fotografar o banho-maria, onde ficam as comidas, porque me preocupei em pegar as pessoas e elas podiam se irritar. Com toda razão. Me limitei ao meu prato.
Provei do arroz e do feijão. Muito ruim. Eu não sou chata pra comer, de forma alguma, já comi nos lugares mais estranhos e suspeitos pelos Caminhos por onde andei. Mas, tem um mínimo que me faz comer sem querer devolver logo em seguida.
O arroz e o feijão tinham gosto de coisa  alguma. Sem tempero total. Sei que comida feita em grande quantidade precisa ser com pouco tempero, pouco sal, e as pessoas fazem isso cada uma à sua maneira, à mesa. Na mesa só tinha uma garrafa plástica daquelas de 1 litro, com molho de pimenta. Não vi sal. Não encarei. Então, meu prato ficou assim . Arroz, feijão, alface sem tempero algum e dois ovos. Sobremesa, 1 maçã. Nada pra beber. Talvez, se eu tivesse morrendo de fome fosse achar tudo ótimo. Era hora do almoço, tava com fome normal, então não rolou. Só provei o arroz e o feijão, dei minha maçã pro vizinho e devolvi minha bandeja pra uma turma barulhenta que lava tudo lá mesmo. A moça brigou comigo porque deixei o talher na bandeja. Bem grosseira. Procurei onde colocar,  não vi, e quando ela falou grosseiramente, me mostrou o buraco pra colocar a faca e o garfo. Coloquei e pedi desculpas. Numa hora assim toda cautela é pouca...rs
O que pensei sobre esta aventura.
Acho, que não basta colocar um preço baixo, acessível. Tem que ter sabor, boa aparência (essencial)  e dignidade a comida. O balanço é de um único dia, muito severo eu sei, mas, tava muito ruim. Mesmo com fome, o que comi não iria me alimentar legal e 1 hora depois estaria de novo com fome.
Dei uma olhada discreta pras pessoas e todas comiam com apetite e não vi cara ruim. Bandejas raspadas. Fiquei ainda mais incomodada. Será que eles acham que tá bom? Que á assim mesmo, que pelo preço que estão pagando não dá pra reclamar nem pra esperar coisa melhor? Só Deus!
Peguei um táxi na porta do restaurante pra voltar pra casa ( e almoçar...rs) então puxei conversa com o motorista.
- Você já comeu no restaurante da Câmara?
- Já.  Sempre como aí.
- Acha legal?
-Acho muito bom. Muita variedade. Todo mundo por aqui come lá. Você almoçou?
- Almocei. Quer dizer, tentei.
- Não gostou?
- Gostei não.
E já fui justificando.
- Eu não como carne e então fiquei com pouca opção. Arroz feijão e alface, é pobre. E os ovos não dava pra encarar.
Falei que tinha dobradinha.
Ele então disse que muitas pessoas não comem lá porque servem muita dobradinha, pelo menos duas vezes por semana. E foi engraçado, porque daí pra frente começou a dizer  que não era tão boa a comida. "Se lembrou" dos defeitos. Não sei porque.
E enumerou vários outros. Sem que eu desse corda.

Fui na terça-feira dia 12. Não tinha batata corada.

Os talheres também são todos molhados e vi folhas de alface misturada no meio . Eca!

A alface não tive coragem mesmo de comer. E afinal, alface é alface. O gosto já conheço. Sem tempero é como comer grama. Horrível.

4 comentários:

oposicaoreal disse...

Economizei dois real.....
Reynaldo.
(PS: Em Portugal há um programa PÙBLICO que ensina as pessoas a montarem pratos por 1 EURO!. Funciona! Nestes tempos de crise por lá, precisa ver o número de receitas! Ou seja, aqui nos trópicos confundem comida popular com comida sem tempero, cuidado ou sabor!)

Ieda Dias disse...

Falou e disse meu bem...Cuidado...falta cuidado e carinho
bjins

Gabriela disse...

O restaurante da USP daqui de Ribeirão Preto serve comida a 1,90 para alunos e funcionários (e pouca coisa mais caro para quem não é "da casa", os convidados). E a comida é excelente! O arroz e feijão (que podemos comer à vontade, junto com a salada sempre variada) são excelentes. A "mistura" ( que a gente não pode repetir, mas as porções são generosas) nem sempre é boa, mas os dias ruins são raros. Ah, e tem tempero para cada um temperar a comida do jeito que preferir (sal, azeite e vinagre, basicamente) e suco (daqueles que muitas vezes não identificamos o sabor, mas que matam a sede e estão sempre super gelados) à vontade (cada um tem que trazer sua caneca ou copo, porque o bandejão - como chamamos o restaurante - não oferece copo descartável para não gerar muito lixo).
Acho que falta é vontade e vergonha na cara de governantes que não devem saber o que é passar fome e não ligam para os outros: "já estão comendo por preço baixo, já tá de bom tamanho", devem pensar...

Ieda Dias disse...

Falou tudo Gabriela, "já estão comendo por preço baixo, já tá de bom tamanho", e o povo que não sabe reclamar seus direitos vai engolindo a gororoba. Triste.
bjins e obrigada pela dica de Ribeirão

VEJA TAMBÉM

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...