quarta-feira, 31 de outubro de 2012

O primeiro café da manhã a gente nunca esquece - http://www.premametta.org/

E hoje foi o nosso primeiro dia na escola que servimos um lanche pra criançada no café da manhã.
As fotos e os filmes falam por si.
Veja só!

O grão de bico ficou de molho a noite toda

Os meninos já salivando, porque viam a gente preparar o rango

Depois do molho de uma noite, lava bem o grão de bico...aliás copie essa receita, porque é uma delícia e nem vai ao fogo.

Ele fica ao dente...não é molinho não...mais pra amendoim, saca?

Lindo!

Eu sou a maior empata aula...não posso fotografar sem que eles façam pose...rs

Essa história de lanche de manhã vai atrair alunos. Como no Brasil. Quanta criança só vai a escola por conta da comida!
Fiz conta de 40 e hoje foram 53. Vamos ver amanhã. Hoje já comprei mais 20 cumbuquinhas. tivemos que dar um adjuntório com vasilhas de isopor que sobraram do pic-nic.

Esta faca tava lá em casa no Brasil e usei umas duas vezes em anos! Trouxe pra cá e ela é usada diariamente. Aqui, picotando a rapadura.

O grão de bico já nas cumbucas

Já com os pratinhos na frente e elas agradecendo aos Deuses pelo alimento. Incluíram na reza de hoje um agradecimento a mim.
 Mais um momento difícil de segurar!


Não parece pé de moleque? A rapadura macia, que eu conheço como rapadura batida, é a ideal pra comer com o grão de bico


É uma alegria contagiante...tudo vira festa, até lavar os pratos.


Onde as crianças estão lavando a louça é que vai ser o local do lanche todos os dias. Vão fazer uma rodinha pra comer. Hoje foi o primeiro dia, então comemos dentro da escola pra não fazer mais confusão do que já tava...hhheee...

E lá vai a Puja pra casa, seguida pelos súditos do coração na sua Ferrari.

MINHA QUERIDA AMIGA DO CORAÇÃO, PATRÍCIA ANTUNES, VAI DOAR MENSALMENTE O CAFÉ DA MANHÃ. MUITO OBRIGADA MEU BEM...BJOS BJOS BJOS

E VOCÊ? QUER NOS AJUDAR?
DEPOSITE EM MINHA CONTA DO
HSBC
IEDA DIAS
AGENCIA 1561
CONTA 0831621 tudo junto sem dígito
CPF 156643506 44

Agradeço do fundo do meu coração a todas as pessoas que  confiam em mim e anonimamente depositam em minha conta. Respeito a vontade de quem não quer ser mencionado.
Muito obrigada mesmo!
O Sr. Anup Kumar agradece e inclui todos vocês, todos os dias, nas preces das crianças na escola.

Oia nós de novo na VEJA online...hhheeeeeeee.....

Ontem foi o querido Augusto  Nunes que deu a força pra PREMAMETTA.  Hoje o querido Ricardo Setti. Assim nós vamu qui vamu messsssmooooo!!!!  Obrigada meus queridos e obrigada Reynaldo Rocha!



31/10/2012
 às 14:00 \ Tema Livre

História para comover e inspirar: nossa discreta e desconhecida Madre Teresa de Calcutá


A mineira Ieda e o indiano Prema Metta - que acreditam e fazem diferença - na inauguração do pequeno posto de saúde que conseguiram erguer num rincão perdido e miserável da Índia
Post do LeitorAmigas e amigos do blog, o amigo do blogReynaldo-BH, incansável batalhador pelo que acredita ser correto na vida pública e autor de muitos Posts do Leitor nesta coluna, hoje conta uma história comovedora: a de uma brasileira, praticamente anônima, que realiza, num recanto miserável da Índia, sem ajuda de governos ou de ONGs, um belo trabalho humanitário.
Guardadas as devidas proporções, uma discreta e desconhecida Madre Teresa de Calcutá.
Leiam o relato de Reynaldo:
Em meio a tantas notícias de “espertezas” e outros comportamentos de brasileiros, um pequeno gesto, um pequeno grande gesto.
Minha amiga – comentarista aqui do blog, a EIDIA – é uma mulher dessas especiais.
Que sempre se recusou a ser ativista somente frente a um teclado.
Que desconfia das ações oficiais. E mantém a capacidade de se indignar. Como todos nós.
Mas ela vai além.
O mini-posto que Ieda lutou para construir é celebrado lá, pelos locais, como Hospital
O miniposto de saúde que Ieda lutou para construir é celebrado lá, pelos locais, como Hospital
Ieda (este é o nome dela) faz a diferença. Faz da indignação, ação.
Sem rancores, bandeiras ou discursos raivosos. Faz porque entende que viver, ao final, é isto.
Ela conhece, literalmente, o mundo. Desde Paris – onde morou – à Palestina. Do Iraque aos Estados Unidos. Desde o Brasil à Índia, passando por Israel.
Ieda, em uma dessas viagens, ficou impressionada com o Brasil na década de 1950 que encontrou na Índia. Pelos costumes, pela extrema pobreza ainda muito presente apesar dos altos índices de crescimento econômico dos últimos anos e pela atroz falta de atendimento à população.
Pobreza que festeja a vida
Ao lado de um templo budista que visitava, na pequena localidade de Pathalgarh, num distrito do mais populoso Estado da Índia, Uttar Pradesh (quase 200 milhões de habitantes), no norte, ela conheceu uma comunidade de lavradores (a que pertencia o motorista que a atendia na viagem) que sobrevivem, muito pobremente, daquilo que plantam. Mas festejam a vida, com danças, cores e fé.
Ieda imediatamente, já naquele primeiro contato, resolveu que iria fazer algo. E começou a participar de um projeto idealizado pelo jovem motorista indiano, Prema Metta (mais um que acredita na utopia), que contava com um pequeno auxílio de cidadãos japoneses que haviam conhecido o local.
Ieda voltou ao Brasil e fez um movimento – solitário a início e posteriormente com apoio, embora pequeno e muito menor que o que é necessário – para angariar fundos destinados à construção de uma escola e um posto de saúde no local.
Foram leilões, doações, venda do que trouxe de lá, etc.
E aos poucos, sem NUNCA desanimar, teve a ajuda de amigos e algumas empresas de Belo Horizonte, sua cidade — desde boutiques conhecidas a cervejarias. Fez um leilão e arrecadou o que pôde.
Esta mulher chegou ao hospital com uma fratura na perna.
Esta mulher chegou ao pequeno hospital com a perna fraturada. Não existia qualquer atendimento aos habitantes a não ser a horas de distância
A sobrevivência dela? Com o próprio dinheiro. Não recebe um centavo para se manter na Índia, seja de hospedagem ou alimentação. Simplesmente porque não dá! Cada centavo tem uma destinação certa e necessária.
Energia solar, ventiladores e notebooks na pequena escola
E lá se foi Ieda. Mala com excesso de bagagem, com bonecas, livros de colorir e vários outros itens capazes de alegrar uma criança.
Em menos de um mês conseguiu, com os recursos que levantou no Brasil, colocar energia solar na pequena escola de apenas três salas. E ventilador de teto (lá é comum, nesta época, a temperatura chegar a 40 graus!).
Também doou notebooks para a escola (um) e para o professor e providenciou um estrado coberto com mantas, para tirar os meninos e meninas do chão batido de terra onde estudavam..
Mais um passo do sonho: o miniposto de saúde, que os locais chamam de hospital
E neste último sábado, 27, mais um passo do sonho foi dado. Inaugurou o que ela chama de miniposto de saúde.
E os locais denominam de hospital, pois o mais próximo fica a horas de distância. Os equipamentos médicos foram todos doados por médicos de Belo Horizonte e lojas de material cirúrgico, visitadas, uma a uma, pela Ieda. Um médico semi-voluntário, pois recebe pouquíssimo, começou a atender às pessoas.
Tenho um profundo orgulho de ser amigo de Ieda. De quem NUNCA se acomodou com a situação de injustiça. Esteja onde estiver. Que desconhece fronteiras. Que nunca julgou judeus ou palestinos. Que não acusa americanos ou iraquianos (já morou em ambos países). Mas que nunca desistiu. E nem desistirá.
Antes que a acusação – infelizmente comum – de por que não está fazendo o mesmo no Brasil, respondo por ela: já fez a vida toda! Desde a infância!
Hoje, aposentada e ganhando muito pouco, ela tem 65 anos bem vividos. Plenos e felizes. E seria como se nós, por cá, não aceitássemos a ajuda que recebemos de tantos de fora.
Era só a inauguração, mas o mini-post era tão necessário que foi preciso atendimento ali, em meio à festa
Era só a inauguração, mas o pequeno posto de saúde era tão necessário que foi preciso atendimento ali, em meio à festa
O jornal da BBC da Índia publicou reportagem com Ieda. Com foto e título: “Brasileira abre hospital!”.
Ieda – nossa EIDIA que estava sempre por cá, indignada com o Brasil – NUNCA contou (aqui ou lá) com um tostão de nenhum governo, ONG ou o que se equipare. Faz com o que tem e com ajuda de quem a conhece.
Por isso, apresento a vocês IEDA DIAS: uma BRASILEIRA que faz a diferença.
Conheça mais da Ieda visitando seu blog, neste link.

terça-feira, 30 de outubro de 2012

Olha a PREMAMETTA aí na VEJA on line, GEEENNNNTTEEEE!!!


30/10/2012
 às 19:47 \ Feira Livre

Reynaldo-BH: Ieda Dias, uma brasileira que faz a diferença

O hospital idealizado por Eidia
REYNALDO ROCHA
Nossa amiga EIDIA,  ─ comentarista aqui do blog ─ é uma mulher destas especiais.
Que sempre se recusou a ser ativista somente frente a um teclado.
Que desconfia das ações oficiais. E mantém a capacidade de se indignar. Como todos nós.
Mas ela vai além.
Ieda (este é o nome dela) faz a diferença. Faz da indignação, ação.
Sem rancores, bandeiras ou discursos raivosos. Faz porque entende que viver, ao final, é isto.
Ela conhece, literalmente, o mundo. Desde Paris ─ onde morou ─ ao Iraque. Desde a Palestina a Israel. Do Brasil à Índia.
Ieda, em uma destas viagens, ficou impressionada com o Brasil na década de 1950 que encontrou na Índia. Pelos costumes e pela extrema pobreza e falta de atendimento à população.
Ao lado de um templo budista que visitava, conheceu uma comunidade de lavradores que sobrevivem daquilo que plantam. E festejam a vida, com danças, cores e fé. Ieda, imediatamente ─ já naquele primeiro contato ─ resolveu que iria fazer algo. E começou a participar de um projeto ─ idealizado pelo jovem motorista indiano (mais um que acredita na utopia ─ chamado Prema Metta). Que contava com um pequeno auxílio de japoneses que haviam conhecido o local.
Ieda voltou ao Brasil e fez um movimento ─ solitário a início e com o apoio, pequeno e muito menor que o que é necessário ─ para angariar fundos para construção de uma escola no local e um posto de saúde.
Foram leilões, doações, vendas do que trouxe de lá, etc.
E aos poucos, sem NUNCA desanimar, teve a ajuda de boutiques conhecidas, cervejarias e amigos. Fez um leilão e arrecadou o que pode.
A sobrevivência dela? Com o próprio dinheiro. Não recebe um centavo para se manter na Índia, seja de hospedagem ou alimentação.
Simplesmente porque não dá! Cada centavo tem uma destinação certa e necessária.
E lá se foi Ieda. Mala com excesso de bagagem, com bonecas, livros de colorir, panos e tudo o mais que poderia fazer uma criança feliz.
Em menos de um mês conseguiu ─ com os recursos que levantou aqui ─ colocar energia solar na pequena escola de umas três salas. E ventilador de teto (lá é comum, nesta época, fazer 40 graus!). Idem um estrado coberto com mantas, para tirar os meninos e meninas do chão batido de terra onde estudavam. Doou notebooks para a escola (um) e para o professor.
No dia 27 de outubro, mais um passo do sonho foi dado. Inaugurou o que ela chama de miniposto de saúde. E os locais denominam de hospital. O que fica mais próximo, fica a horas de distância.
Tenho um profundo orgulho de ser amigo de Ieda. De quem NUNCA se acomodou com a situação de injustiça. Esteja onde estiver. Que desconhece fronteiras. Que nunca julgou judeus ou palestinos. Que não acusa americanos ou iraquianos (já morou em ambos os países). Mas que nunca desistiu. E nem desistirá.
Antes que a acusação ─ infelizmente, comum ─ de por que não está fazendo o mesmo no Brasil, respondo por ela: já fez a vida toda! Desde a infância! Hoje ela tem 65 anos bem vividos. Plenos e felizes. E seria como se nós, por cá, não aceitássemos a ajuda de tantos de fora que nos ajudam.
O jornal da BBC da Índia publicou reportagem com Ieda com foto e título: “Brasileira abre hospital!”. (Nota: vejam  e entendam o que é este hospital: inteiramente gratuito, fará o básico com o muito pouco que Ieda pode garantir! Mas um HOSPITAL para quem, como a senhora idosa da foto, que estava há sete dias com uma perna quebrada!).
Ieda ─ nossa EIDIA que estava sempre indignada com o Brasil ─ NUNCA contou (aqui ou lá) com um tostão de nenhum governo, ONG ou o que se equipare. Faz com o que tem e com ajuda de quem a conhece.
Por isso, apresento a vocês IEDA DIAS: uma BRASILEIRA que faz a diferença.

Irritantemente perfeitas!

Você olha, olha, vai, volta, olha de novo, e a cada momento descobre mais uma perfeição, mais um detalhe impressionante destes trabalhos maravilhosos feitos pelo ser humano.
Divirta-se!


Esta faca vai cair! O por dentro da casca de mixirica é de impressionar!

Este tecido se chama adamascado e tá perfeito!

Parecem tijolos reais e só o resto foi pintado
Delicadesa de doer!

Dá pra escutar o estalo da casca seca da cebola!

E a fumaçinha da vela recém apagada?

A borda seca da folha me irrita!

Outra perfeição irritante...rs

E o saco do supermercado?

E a sombra na lata com flores?

Amarrotado do tecido da mesa

As cebolas de novo!


Nem o próprio pão tem uma casca tão lindia!

Este artista faz tecidos com uma perfeição de doer!

A biqueira gasta da botina! Impressionante!

Toalhas!

Durex! Tem dó! Até a pontinha levantada!

Panos!

Os autores vão me desculpar por não ter colocado seus nomes...mas, fui pegando uma foto aqui outra alí e misturei tudo. Sem tempo de refazer vai assim mesmo.
Mas estão mostradas e registradas todas as obras de arte.
Acho  dar parabéns pelos trabalho muito pouco.
Mas dizer o que?

Café da manhã é gostoso e faz bem

Aqui na escola da
as crianças estudam em dois turnos. Primeiro de 7 às 9h da manhã e depois de 13 às 15h.
Uma coisa que me incomoda muito é elas virem pra escola em jejum e só comerem em casa depois das 9h da manhã, e só Deus sabe o que!
Então fiquei pensando em alguma coisa que não fosse cara que elas pudessem comer pra assistir a aula sem a barriga roncar enquanto esperam o almoço.
Vou fazer uma experiência essa semana, se der certo e tivermos dinheiro, continuaremos.
Vamos ao que interessa realmente.
Quanto vai custar essa estravagância que vem a ser ter um café da manhã?
Vai custar 5 rúpias/dia por criança. O que quer dizer em reais, mais ou menos R$ 0,20. Isso mesmo!
Elas tem aula 6 dias por semana. Contei uma média de 40 crianças pro café da manhã. Vão dar 200 rupias por dia, vezes 26 dias no mês, preciso de 5.200 rupias por mês, que dá o absurdo de 190 reais por mês.
Você não quer reunir uma  meia dúzias de amigos, fazer uma vaquinha e me dar essa grana mensalmente?
Eu que sou louca com café da manhã e  se demoro a comer já começo a tremer de fome, fico imaginando as crianças estudando de pança vazia, como deve ser difícil!
E elas não faltam à escola.
Se você me ajudar tenho certeza de que quando estiver tomando seu quentinho café da manhã, vai comer mais feliz, sabendo que uma criança aqui da escola está fazendo o mesmo. Por "culpa" sua...rsss..
Só pra te dar uma idéia, depois do pic-nic perguntei a quase todas as crianças o que elas mais gostaram de fazer naquele dia. Várias foram as respostas, mas a campeã absoluta foi:
- A hora do almoço. 

ONDE DEPOSITAR? 
EM MINHA CONTA DO 
HSBC
IEDA DIAS
AGÊNCIA 1561
CONTA 0831621   tudo junto sem dígito
CPF 156643506 44


Fotos do dia do pic-nic. Ponha reparo na alegria da carinha de cada uma!



Repare na carinha das crianças!



 E todos esperam todos serem servidos pra começar a comer!



E agora fotos que fiz indagurinha, quando fui ao mercado comprar cumbuquinhas, copos e o rango.

Perguntei ao Raj o que seria legal as crianças comerem que fosse barato, alimentasse, desse "sunstânça". Ele disse;
- Aqui na Índia os pobres comem muito antes de dormir, GRAM com JAGGERY.  
O estomago fica saciado e você dorme tranquilo barriguinha cheia. Isso também serve pra comer de manhã. 
Fiz as contas, quebrei o cofrinho e raspei pra ir comprar.
Qual não foi minha surpresa, quando descobri que GRAM não passa de grão de bico e  JAGGERY é a boa e velha rapadura. Aproveitei pra comer uma lasca da parte interna que tava molinha. Uma delícia. Vou ficar freguesa. Adoro rapadura batida.
Então, a gente vai colocar o grão de bico de molho no final da tarde e de manhã misturar com a rapadura e dar pra meninada.
Amanhã este vai ser meu café da manhã junto com eles. Tô curiosa pra experimentar, porque só já comi grão de bico com sal.
Aguarde a cobertura completa aqui no blog...heheheee....

 Ele só é mais seco que o nosso então fica mais enrrugadim

 A rapadura velha de guerra...

 O dono da venda pegando o Gram

 Aqui compramos as cumbuquinhas e os copos. Tudo de alumínio.
O indiano bebe água o dia todo. Muita mesmo!


VEJA TAMBÉM

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...