terça-feira, 22 de novembro de 2011

Quando eu era criança...

Quando eu era criança, não existiam shopings. Os bairros não eram independentes como são hoje. Tudo acontecia no centro da cidade, que a gente chamava de "cidade". Tava precisando de comprar tecido? Tinha que ir na cidade. Precisando de dar um presente? Vamos na cidade comigo? E era um programão!
Na rua Rio de Janeiro tinha a Casa Sloper. Era o must em matéria de coisas finas, presentes delicados e  diferentes, era lá que a gente encontrava aquele agrado diferenciado.

Nossas mães costuravam. Se não costuravam  tinha a vizinha que costurava pra gente. Então, precisando de linhas, botões, aviamentos, como chamava naquele tempo, onde a gente comprava? Na A Principal, que era também na Rua Rio de Janeiro. O pai precisava de pijama, meias, lenços? O lugar certo era o Grande Camiseiro na Tupinambás com Rio de Janeiro. E tinha as Lojas Americanas onde tinha de tudo um pouco. Mas o que todos nós mais adorávamos era depois das compras, sentar na lanchonete e comer bolo com sorvete. Quando as vacas estavam gordíssimas, a gente comia banana-split, ou um Havai, que era um  abacaxi cortado ao meio com bolas de sorvete e mais um monte de coisa em cima. Delícia dos deuses!Como ainda não conhecíamos sexo, não tínhamos celulite nem colesterol alto, não existia nada melhor no mundo.

Meu irmão e eu fomos a todas as pré-estréias de domingo no Cine Brasil. Íamos também ao Cine Candelária e  Metrópole e me lembro, que depois de muito infernizar a ideia do meu pai e da minha mãe, eles nos deixaram ir a um programa de auditório da Rádio Inconfidência, onde entre outras atrações, cantavam calouros. E me lembro da Roberta Lombardi, hoje dona da Vide Bula, cantando uma música em italiano. Quase morri de inveja dela. Íamos também ao Cine São José e Cine Odeon. Na minha infância vi todas as chanchadas da Atlântica, todos os filmes de Joselito e Marisol, Sarita Montiel e Cantinflas.

Comprar sapatos, ou era na Balalaika ou na  Clark da Av. Afonso Pena. Esta última com sapatos mais finos e mais caros. Coisas só pras mães. Me lembro de uma sapataria que se chamava Praça Sete Calçados. Lembro das árvores da Afonso Pena, e também de quando deu uma peste de um bichinhos miudinhos pretos, que foram os culpados pela poda delas. O prefeito na época se chamava Amintas de Barros e os bichos viraram os "amintinhas"...rs... nada mudou. Os políticos continuam sendo uma praga!

 Precisando de pregos, parafusos, ferragens em geral, era na Casa Tupinambás, na rua de mesmo nome.E tinham as casas de tecidos preferidas de nossas mães. Copacabana Tecidos, Casas Pernambucanas, Gizê. Em muitas delas tinham rapazes que desenhavam os modelos de acordo com o tecido que a gente comprava. Me lembro que todo mundo esperava na fila pro moço fazer o desenho, mas não me lembro de ter feito alguma roupa com o desenho feito por eles. Mas era chic. Pra comprar uniforme de escola o endereço era um só. O Mundo Colegial. O nome é ótimo, né não? Cadernos, livros e material escolar eram comprados na Rex da Praça Sete. Inclusive o plástico pra encapar tudo. Eu, sempre gauche na vida me lembro de encapar minha tralha toda com plástico preto. Era nemo e não sabia...rs.
Tomar um café "na rua", como a gente dizia, o caminho era o Café Pérola da Praça Sete. Podia também ser no Café Nice que era do lado.

A Savassi só existia com a Padaria Savassi, e a Drogaria acho que Vidigal. Mais nada. Não existiam supermercados e tudo era comprado ao lado de casa. Todo bairro tinha os armazés, padarias, açougues. As pesssoas tinham "conta ou caderneta", onde o dono anotava o nome de quem comprou e o que foi comprado, e era pago no final do mês. Meu pai nunca teve, nunca gostou. Tinha medo de perder o controle na gastação.  Existiam lojas de móveis usados e antigos na rua Itapecerica, mas não íamos nunca porque  a rua fazia parte da "zona", que era o nome da região das putas, então era melhor nem passar perto. Comprar perfume, sabonete melhor, algum produto pro cabelo ou  presentes pras amigas,  tinha a Perfumaria Lurdes que ficava na esquina da Av. Amazonas com a rua São Paulo. Chiquérrima!

Eu adorava ir ao Mercado Central com meu pai. Era imundo, chão de terra, que virava uma lama só porque as pessoas molhavam as verduras e legumes o tempo todo. Mas era muito bom passear vendo o corredor dos passarinhos. Me lembro de um incêndio que teve no Mercado e meu pai chorou quando ouviu no rádio o locutor dizendo que todos os passarinhos tinham morrido e viraram umas bolinhas de carvão no fundo da gaiola. Eles sabiam narrar e tocar a fundo o coração de quem tava ouvindo.
E me lembro de muito mais coisa, que se você tiver interessado eu conto...rs
Na minha adolescencia quase tudo mudou. Mas aí, já é uma outra história!

21 comentários:

  1. Tantas lembranças... Ainda me lembro de algumas das cenas que você descreve. Isso me fez voltar ao início dos anos 2000. Mais exatamente 2002, quando cheguei ao pampa gaúcho. Logo no primeiro inverno, fui a uma cidadezinha chamada MATA. Toda ela calçada com madeira petrificada, com mais de milhares de anos de idade. Uma praça inteira feita dessa mesma madeira mineralizada. Um encanto. A viagem bucólica, entre picadas e mataburros (será que tem hífen?... Preguiça de olhar no dicionário...) com cascatas pequenas e os pingos de orvalho quase gelo caindo... Deu saudade...
    beijinho

    ResponderExcluir
  2. Olá Amiga!
    Ao ler seu texto me lembrei que também escrevi sobre isso e me vem a pergunta: será que a Slopper teve consciencia da marca que fez nas nossas vidas? segue o caminho para o post sobre o tema:
    http://brincando-com-palavras.blogspot.com/2009/05/rio-antigo-2.html
    grande abraço,
    Tutti

    ResponderExcluir
  3. Ieda,
    muito legal as lembranças da BH antiga (muito mais interessante que a atual).
    Me deu uma dúvida: A Sloper não era na Av. Afonso Pena? No Ed. Guimarães em frente ao Sulacap? Me lembro que o fuxico de sábado de manhã era ali....
    beijos

    ResponderExcluir
  4. A primeira loja foi na Rio de Janeiro e depois mudou pra Afonso Pena...e a gente passeava sábado de manhã escolhendo os pares pra dança da noite, lembra?
    bjos bjos e saudades meu bem

    ResponderExcluir
  5. Ai Jr vontade de conhecer essa Mata e este chão. Vou ver se encontro alguma coisa no Google...
    bjosbjos

    ResponderExcluir
  6. Adorei seu textro Tutti. Eu penso que a Sloper poderia estar aqui até hj e não iria fazer feio perto de nenhuma loja atual de shoping. Bons tempos aqueles que sair com a mami à tarde era um programão. Aproveite bem a sua e encha ela de perguntas...rs.
    bjos bjos

    ResponderExcluir
  7. Ei Iêda, adorei seu relato, até parece que eu estava com vc. Qta coisa boa de se lembrar.Sabe de que me lembrei?, da Perfumaria LOudes na rua são Paulo onde se comprava de tudo para a beleza.Pó compacto , gumex etc...
    Boas recordações.Júnia

    ResponderExcluir
  8. Oi Junia, eu coloquei...adorava o chiquê das vendedoras...bons tempos, né amiga! Sem nostalgia.
    bjos bjos

    ResponderExcluir
  9. Afff que agora quase morri nas saudades...Ainda mais por conta de mamis que me carregava e eu amava ir com ela a cidade...Banco da lavoura, Perfumaria Lourdes, Slopper e depois lanchar na Torre Eifell ou no Teds grudado no Cine Jacques...aí vieram os tempos da Guanabara e Pepsi (lojas com es-ca-das rolantes rsrs)...afff que tem lembrança pra mais de metro!
    Beijuuss n.a.

    ResponderExcluir
  10. Que relato interessante! Mais ainda como vc o descreve, ri de alguns, me encantei com os detalhes,fantático lembrar de coisas assim.
    Conheci a Slopper sim, da praça Sans Pena no Rio,sempre ia lá, vários andares.
    Criança é curioso e não tem pressa, observa, grava tudinho.To vendo como já andava nesta época,pelos
    Caminhos de BH...

    ResponderExcluir
  11. Como dizia o Ataulfo Alves, Susi: eu era feliz e não sabia...
    bjos bjos

    ResponderExcluir
  12. Ieda
    Garota sou mineira e adorei as lembranças da nossa Belonzonte.
    Lembro da SLOPER na Afonso Pena, Americanas que ocupava um quarteirão inteiro internamente na São Paulo
    E as lojas Bemoreira, e aquela de 12 andares na Afonso Penao troleibus na Bahia
    Bons tempos
    Beijos

    ResponderExcluir
  13. Boas lembranças Mara. Anotadas pro próximo post...brigadim e some não
    bjos

    ResponderExcluir
  14. E o Abdala, ali na Afonso Pena?
    O Abdala é fogo na roupa, com ele ninguém pode veja os preços que ele tem....
    Muito bom o texto, eu pensava que era só a minha mãe que nos levava às Lojas Americanas. Nunca me esqueci do gosto do Ice Cream Soda deles e, mais tarde, do Hot Butterscotch do Xodó. Para onde foi toda aquela gente?
    beijos, Leonardo

    ResponderExcluir
  15. É bom lembrar né Leonardo? Claro q me lembro do Abdala...O Xodó continua firme na Praça da Liberdade...um lutador. Acho q seguram a onda pelo ponto, pq ele tá bem caidinho
    bjos bjos

    ResponderExcluir
  16. Muito legal essas lembranças...lembro-me também das Lojas Peg's (o Mussum cantava na proganda), Lojas Bemoreira Ducal e a Embrava (tinha um dragão pintado na lateral de um prédio na Av. Amazonas)....abraços

    ResponderExcluir
  17. Que legal! Como você escreve bem... A gente viaja no tempo. Já pensou em escrever novelas? Grande abraço.

    ResponderExcluir
  18. Olá! Tudo bem? otima matéria. A Sloper que vc postou em Foto é a loja de Petrópolis/RJ, vc teria uma foto da loja em BH???

    ResponderExcluir
  19. Oi Allan. Brigada meu bem, nunca pensei...rsrs...bjosjbos

    ResponderExcluir
  20. Vou ver se consigo uma foto dela e te aviso...bjosjbjos
    brigada e volte sempre aqui

    ResponderExcluir

Se você não tem conta no google, é só clicar em 'anônimo' para enviar seu comentário.