quarta-feira, 10 de agosto de 2011

Auschwitz e Treblinka continuam bem aqui. E alí. E lá!

As disputas pelo poder, a seca, a fome, vão empurrando as pessoas de lá pra cá. Elas tentam encontrar um lugar pra sobreviver. Fogem da lama e caem no atoleiro. Fogem de uma guerra e caem no deserto sem recurso algum de sobrevivência.
Sempre que a conversa cai nos campos de concentração da Segunda Guerra, com aquele mundo de judeus presos e sendo submetidos a toda espécie de sofrimento e tortura, a indignação maior vem quando pensamos o porque esse povo não se rebelou, não chutou o pau da barraca, já que estavam todos condenados, já que não havia saída, uma grande rebelião daria pelo menos pra muitos,  a liberdade.
E pouco mais de meio século depois, continuamos a ver povos serem massacrados de todas as formas sem terem pra onde ir ou como fazer pra se livrar de seus algozes. Quem está muito por baixo perde as forças.
E  mais uma vez, ou melhor, como sempre, o mundo continua calado. Poucas vozes se levantam pra ajudar essa gente no grito deles. Eles tem que contar com o grito alheio.
Força ali não existe.
Não precisamos ir tão longe pra ajudar estas pessoas. Basta ajudar o que está do nosso lado. Sempre pensei assim. Se cada um ajuda seu chegado, o abraço fica largo e o mundo vira um aconchego só. Sonho meu? Pode ser. Mas sonhar e fazer não custa nada. Esta semana ouvi uma frase do Jorge Amado e adorei:
- Eu acredito na amizade e a exerço.
Simples assim!

                                             Vista aérea do campo de refugiados de Dadaab, Quênia

Escola feita de arbustos em Dagahaley, no campo de refugiados de Dadaab, Quênia

Crianças dormindo em esteira no Vale do Jequitinhonha

Estas pessoas olham em volta, a vista gira 360º e não veem nada. Não tem um rio, não tem verde, não tem o que ser feito pra que eles possam trabalhar e continuar a viver. Só com muita ajuda dos povos que tem muito pra dar, eles terão um mínimo de dignidade humana.

O que me tira o prumo em todas estas fotos, é o olhar. O olhar é sempre o mesmo. Uma mistura de indignação, tristeza, desesperança, espera.

Criança no acampamento Ifo, no campo de refugiados de Dadaab, Quênia . Não dá vontade de carregar essa broinha pra casa e dar muito carinho, muito beijo, roupa limpa, caminha, cobertor!


Esta não é a idade pra já estar com este cenho franzido deste jeito!

Encarar este olhar por mais do que alguns segundos, é uma tarefa difícil

Menina do Vale. Do nosso Vale! Bendita altivez!

Crianças esperando pra serem atendidas na tenda-ambulatório



Todos os olhares são de espera!

Tomara que tenha sobrado alguma gota d'água

Tapera do Vale do Jequitinhonha.

Já viu na sua vida uma foto mais solitária que esta?

8 comentários:

  1. E a gente reclama de tudo.....
    Todo mundo deveria ter consciência destas coisas pelo menos uma "vezinha" em quando.
    Se eu olho para aquele q tá do meu lado, este para o do seu lado, assim por diante, todos são vistos. Concordo.
    Não precisa ir longe. Só querer ver, né?
    bjo

    ResponderExcluir
  2. IEDA, É TERRÍVEL ESSE MUNDO DE TANTAS DIFERENÇAS , FICO COM O CORAÇÃO MUITO APERTADO VENDO ESSAS IMAGENS.
    VIM TAMBÉM PEDIR SEU VOTO LÁ NO CONCURSO NO QUAL SOU FINALISTA NO BLOG DA FATIMA, ESTOU CONCORRENDO COM UMA FOTO DO MEU JARDIM, E FICAREI FELIZ COM SUA PARTICIPAÇÃO, É SÓ CLICAR NO MEU NOME - FLAVIA NA LATERAL DIREITA DO BLOG E VOTAR, O LINK É ESSE
    http://fadinhadaarte.blogspot.com/
    BEIJOCAS E ÓTIMO DIA...

    ResponderExcluir
  3. Pois é Maga...Ter as coisas não é pecado. É um pecado ter muiiiiito mais do que precisamos...a turma que não tem nada é grande demais.
    bjins

    ResponderExcluir
  4. É isso aí Flávia. Tem q correr atrás mesmo. Vo lá votar de novo.
    bjins

    ResponderExcluir
  5. Obrigada pela cutucada.
    Beth

    ResponderExcluir
  6. A Beth falou bem, tem que cutucar porque senão passa batido para todos nós.
    Beijo
    Ana Luiza

    ResponderExcluir
  7. A gente não pode se acostumar com a paisagem, né Ana? Essa merda toda tem que ser notada, não pode parecer natural.
    bjos bjos

    ResponderExcluir

Se você não tem conta no google, é só clicar em 'anônimo' para enviar seu comentário.