segunda-feira, 1 de março de 2010

Palm Beach. Eu me meto em cada uma! - Parte 2


... e comecei a trabalhar, quer dizer, ficava peruando pela casa vendo o que a criadagem fazia.
Me apresentaram a uma despensa - um cômodo do tamanho da minha sala - que eu precisava manter atualizada, tipo, não deixar faltar nada. Antes da caixa de Coca se acabar na geladeira, já deveria ter, pelo menos, mais duas na boca de espera (um exemplo).

Toda manhã, acompanhava a garota até a porta da rua - uns 5 minutos de caminhada - e ficava com ela esperando aquele ônibus amarelo, que viria buscá-la. E, à tarde, repetia a cena e vínhamos conversando.

Era uma criança super solitária. Em casa, durante o tempo que estive lá, não vi nem a mãe nem o padrasto falar com ela, a não ser pra dar alguma ordem. Nunca ouvi perguntarem sobre a escola; nada. Comia sozinha, comigo, todos os dias e os pais comiam no quarto. A cozinha era meio que de enfeite; tinha de um tudo mas quase nada era usado. Vários aparelhos de jantar, jogos e mais jogos de talheres e louças e panelas e o cacete. Tudo lustrado e encerado. Nada usado. Comiam o que pediam pelo telefone, mas eu sempre fazia alguma coisa interessante pra mim e a menina comia comigo. No almoço, a patroa comia fora e ele não sei se comia; gritava ao telefone.

Falando assim, até parece que não eram gentis comigo, pelo contrário, muito educados e não tenho reclamação quanto a isso. Aliás, reclamação quanto a nada, só penso que é um tipo de vida que curuz credo Ave-Maria. Vocês devem estar entendendo. Ai emi auti !

Pensando bem, teve uma coisa interessante que aprendi com essa família figurinha premiada, quer dizer, aprendi com a dona da casa, e faço uso na minha casa.

Todo santo dia, eu começava a acender tudo que era luz, abajur, luminária, luzes dos quadros, pátio, jardins, piscina, tudo, à uma hora X.
Tinha tanta coisa pra acender que, quando terminava, já tava quase na hora de apagar aquela porra toda. Eu parecia o Pequeno Príncipe no Quinto Planeta. Segundo a donamaria, a casa não podia sentir que a noite tinha chegado, assim abruptamente, de súbito. Iluminava-se a casa enquanto era dia e, quando se fizesse noite, nem teríamos sentido a escuridão cair. Ai Jesuis! Então tá então! Mas não é que essa idéia é interessante mesmo? Depois disso, passei a acender minhas 3 luzes, enquanto está escurecendo e fica simpático não estar de repente tateando no escuro. Experimentem !

A Flórida é quente pra cacete mas, o ar refrigerado central, era gelado. Quando eu ia lá fora fazer alguma coisa, levava o maior susto com o bafo-quente. Me esquecia do calorão.

Banheiros - Cada membro da casa tinha seu banheiro. Enoooorrrme! O da donamaria era o campeão. Tinha uma bancada com, não sei quantos, frascos de perfume. Notava-se que era uma "nouvelle riche" - nova rica - porque, a princesa, por exemplo, da nobreza, era aquele tipo fiel há um só perfume por toda a vida.
O detalhe que mais me deixou pasma, no quesito banheiro, foi o seguinte :
Todo santo dia eu tinha que colocar 12 toalhas - claro que todas idênticas - no banheiro dela e do dono da casa: três de banho enormes; três que, pra mim, seriam de banho mas eram pros cabelos; outras 3 menores - mas também grandes pra cacete - e outras três pequenas, tipo pras mãos e rosto ou, sabe-se Deus, pra quê. Fora os pisos.

E, acreditem se quiser : usando ou não, todas iam pra máquina de lavar depois do banho "dos madamos." Todas. Dia seguinte, tudo de novo.

A dominicana - que ficou minha amiga - era a lavadeira e, quando a patroa não estava em casa, guardava as limpas no armário. Achava um absurdo aquilo ! Imagine eu!

E comecei a achar aquilo tudo meio muito pra mim.

Um dia, passando pela piscina, ela me chamou.
Estava tomando sol quiném uma lagartixa; seca, verde de brancura e cheia de óculos e chapéu enorme. Pediu se eu podia fazer um favor. Seria favor porque, o trabalho era do jardineiro mas ele já tinha ido embora e tinha um vaso na beira da piscina que tava fora do lugar "me incomodando" - disse ela, então perguntou se eu poderia puxar pro lugar certo. "Claro que posso! Onde a senhora quer que coloque?" Ela, deitada, falou: "Puxe um pouco pra direita". Ok. Puxei. "Mais um pouco" - tipo cinco centímetros, juro por Deus - "mais pra esquerda" - três cm pra direita, pra esquerda, pra frente, pra direita e, quando ela disse, que "agora ficou ótimo" o vaso continuou no mesmo lugar que tava.

E continuei a achar aquilo tudo meio muito pra mim.

Cada armário que eu abria pra procurar algo, tinha sapatos dela. Às vezes, quatro ou cinco pares idênticos. Escarpam, por exemplo, todos pretos ou vermelhos ou verdes. Americano ama sapato verde. Fui ficando intrigada com aquela Imelda americana e, um dia na moita, resolvi contar. Não me esqueço até hoje, parei no 356º, porque enchi o saco e comecei a me sentir ridícula contando sapatos. Deixei vários armários sem abrir. Entre tudo que contei, só tinha um par de tênis branco, liso, baixinho, sem absolutamente enfeite algum, a não ser os cordões.

E continuei a achar que aquilo tudo tava sendo meio muito pra mim.

Continuo a saga amanhã (se é que tem alguém ainda interessado nessa história.... rs).

16 comentários:

  1. No seu retorno, seria recebida a pedradas se não terminar essa história, hehehe.
    Bjs.

    ResponderExcluir
  2. Sabe JC, dividi pra não ficar muito comprido o texto, mas dentro de uns dois capítulos findo com a saga.Experiência doida essa, né não?
    bjins

    ResponderExcluir
  3. Muito boa a sua história, ieda, e tão bem contada que estou pensando em dizer umas coisas para essa madame :)
    um abraço,
    clara

    ResponderExcluir
  4. Ieda, to aqui aflita ja fazendo mil idéias dessa patroa diferentosa.

    ResponderExcluir
  5. Ieda, que delícia de história!Desde que li a 1a parte fico tentando imaginar a cara da pirua e a sua. O lance do vaso é chic dimais, mas tô com a maior peninha da menina.... Tô fora dessa gente, irrita demais.
    Um abraço
    Rejane

    ResponderExcluir
  6. Pois é Rejane, fico pensando por quantos psi a pequena que hj já é uma mulher, não deve ter passado.Espero que tenha encontrado pessoas mais interessantes que sua mãe. Ou quem sabe ficou igual....rs...só Deus!
    bjins

    ResponderExcluir
  7. Vale a pena não, Clara. Pelo menos foi o que aprendi nesses caminhos. Gente assim, a gente tem é que sair da reta deles.
    bjins

    ResponderExcluir
  8. Susi, vc já deve de ter trombado na vida com esse povo esquisito...rs.
    bjins

    ResponderExcluir
  9. Você deve ter cada história dessas suas andanças!!!
    Vá contando chérie, que nós vamos acompanhando.
    Bjs.

    ResponderExcluir
  10. Ai de ti, se não contar o resto.
    Esta eu ainda não conheço.

    Saudades.
    Bê.

    ResponderExcluir
  11. Oi B meu bem. Vou ver se consigo terminar hj. Ou quem sabe faço quiném novela da dona Globo,vou exxxxxxxxxxxxpichando...rs.
    bjins

    ResponderExcluir
  12. E tem as histórias censuradas né, JC. Estas só em livro.......hhheeeeeeeeeeee....
    bjins

    ResponderExcluir
  13. Veja lá Srª Dona Eidia, Direito de Nascer(essa é de museu) não.
    Mas livros com histórias assim ou assado, até caberiam bem.
    Mire-se no exemplo do Reinaldo Azevedo.
    Bjs.

    ResponderExcluir
  14. Quem sou eu, Zé, quem sou eu!!!!
    bjins

    ResponderExcluir
  15. Amada
    Só ocê messssma!!! Contar os sapatos da muié...e aqui, amei a nova versão do tôfora= ai emi auti rsrsrs Agora larga mão de ser amarrada e desembucha o resto da história logo, prá nóis sô! Burricida rsrs
    Beijuuss n.c.
    Rê/Regis
    www.toforatodentro.blogspot.com

    ResponderExcluir
  16. Termina amanhã darling. E quem quiser que conte outra...
    bjins

    ResponderExcluir

Se você não tem conta no google, é só clicar em 'anônimo' para enviar seu comentário.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...