domingo, 11 de abril de 2010

As Guernicas: do Picasso e do Millôr






Guernica.
Por Picasso.
No dia do bombardeio
Matreiro e maneiro – sem esquecer que genial –, Picasso não ia perder essa.
Vamo nessa, bombardearam Guernica!
Abandonando cubismos ou realismos, o sempiterno Picasso que, natimorto, desenganado, sobreviveu devido a uma baforada de fumaça de charuto que um tio maluco lhe meteu goela adentro – inspiração boca a boca – conseguiu sua imbatível fama devido ao seu gênio pictorial, e promocional!, com frases como: "Minha pintura não é para decorar cômodos. É um instrumento de guerra". Por isso mesmo Guernica, depois de Da Vinci, passou a simbolizar a própria Pintura.Guernica. O bombardeio foi em 1937. Os stukas nazistas estavam apenas fazendo uma experiência. Mas o quadro ganhou o mundo, inventou encontros e declarações inverossímeis:Em 1940, Paris ocupada pelos nazistas, dois oficiais alemães, diante do horripilante painel, perguntaram a Picasso: "Foi o senhor quem fez isto?". Ao que o intrépido pintor respondeu prontamente: "Não, foram os senhores".

No mundo em guerra, o quadro viajou muito, para ser protegido, acabando no MoMA de Nova York. Onde o autor desta página de espetáculos teve ocasião de vê-lo, exposto ao mesmo tempo ao lado de uma coisa pouco vista e menos falada – os estudos para execução do quadro. Mas MF, que não é de se intimidar com glórias e merchandaizingue, saiu convencido de que Picasso pintou os estudos depois de terminar o quadro.Há aproximadamente quinze anos, alguns artistas, entre eles Jaguar, Chico, Claudius, Fortuna, se desenhistas de humor são artistas, fizeram uma exposição no MAM, Museu de Arte Moderna do Rio, com suas interpretações do Guernica. Por falta de espaço, e por ser dono do espaço, publico aqui apenas a versão, e a explicação, minhas.
Guernica.
Por Millôr.
No dia anterior "A cena se passa – como a de Picasso – num espaço interno-externo, casa-praça, alegria vilareja e doméstica. Uma pomba pacífica brinca com o rabo do touro, cheio de virilidade – notar os testículos. O touro tem a satisfação do animal (como o homem) quando está em sua querência. O cavalo dança sevilhanamente. Na verdade: cavalo e touro são exemplos lúdicos de bumba meu boi. Uma luz no alto ilumina, claro, claro (predomínio do amarelo), tudo! Um jovem militar oferece uma flor a uma jovem guerniquense com seus seios ansiosos de maternidade. À esquerda a mulher já mãe cuida de seu filho. À direita uma ama encaminha um bebê para a saída (para a obra futura do pintor) enquanto, à janela, Bernarda e Alba fofocam, contentes. Uma pede à outra querosene emprestado, sem pressentirem os stukas agressores, no céu azul."

5 comentários:

  1. Tirei este post do Blog do Janer Cristaldo:


    Quinta-feira, Abril 26, 2007

    MENTIRA COMPLETA 70 ANOS



    Leio na Folha on line:

    A população de Guernica, na Espanha, relembrou nesta quinta-feira, 26, o 70º aniversário dos bombardeios que destruíram a cidade durante a Guerra Civil espanhola (1936-39) com a nomeação de capital mundial da paz. O massacre, ocorrido em 1937, foi a inspiração de uma das obras primas do pintor Pablo Picasso, batizada com o nome da cidade.

    Que a cidade de Guernica relembre os setenta anos do bombardeio, entende-se. O que não se entende é que o redator acrescente a informação de que o bombardeio inspirou "uma das obras primas do pintor Pablo Picasso". Esta mentira, criada por Picasso, se repete há décadas. Como a mentira se repete, vou também repetir-me.

    Ora, os fatos são bem outros. Picasso havia pintado uma tela de oito metros de largura por três e meio de altura, intitulada La Muerte del Torero Joselito, plena de cores fúnebres, que iam do preto ao branco, em homenagem a um amigo seu, o toureiro Joselito, morto em uma lídia. O quadro ficara esquecido em algum canto de seu ateliê. Ao receber uma encomenda para o pavilhão republicano da Exposição Universal de Paris de 1937, Picasso lembrou do quadro. Foi quando, para fortuna do malaguenho, a cidade de Guernica foi bombardeada pela aviação alemã. Ali estava o título e a glória, urbi et orbi.

    Uns retoques daqui e dali, e Picasso deu nova função ao quadro. No entanto, até hoje multidões hipnotizadas pela propaganda vêem em uma cena de arena, com cavalo, touro e picador, uma homenagem aos mortos de Guernica. Busque o quadro na rede e examine-o. Você não vai encontrar um único elemento que lembre um bombardeio.

    Esta lenda até hoje é repetida, tanto por professores e jornalistas como por escritores de renome. De um só golpe de pincel, o pintor malaguenho traiu a memória do amigo e mentiu para a História.

    ResponderExcluir
  2. Oswald, sabe que tem fundamento essa historia porque o Picasso não era for que se cheirasse. Quando li sobre a vida do Alberto Giacometti, fiquei com ódio dele. Ele era muito sacana. Pintou e bordou com muitos dos seus contemporâneos. Inclusive com o próprio Giacometi.
    bjins

    ResponderExcluir
  3. Um dos quadros mais contundentes sobre os quais já repousei minhas (já!) fatigadas retinas! Outro é quele do Goya, cujo nome não me lembro...
    Uma beleza que não cabe em palavras, obviamente!
    beijinho

    ResponderExcluir
  4. E quanto ao que disse o Oswald, Jr. que qui vc pensa?
    bjins

    ResponderExcluir
  5. Recebi um link interessante com um filme em 3D de Guernica, vale dar uma olhada.
    http://www.lena-gieseke.com/guernica/movie.html
    Abs
    Rejane

    ResponderExcluir

Se você não tem conta no google, é só clicar em 'anônimo' para enviar seu comentário.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...