terça-feira, 15 de dezembro de 2009

Agora de mala e cuia, volta a polonesa "em definitivA" pro Brasil





Estou, depois de uns anos em Cannes, já voltando pro Brasil, quando minha amiga cisma de vir morar aqui.

Assustei! Quem não se assustaria? É uma responsa danada! Uma senhora de mais de 90 anos... Pensei na trabalheira que iria me dar. Era como se fosse fazer uma adoção só que, ao invés de um bebê, seria um bebê de 90 e tantos anos.

Mas, como dizem os pais, se a gente pensa muito, não tem filhos, então não me aprofundei nas previsões do futuro e tomei a decisão.

Mas, antes, me sentei com ela pra conversar e explicar como seria.

Em primeiro lugar, não daria pra ela ficar comigo, na minha casa. É uma casa pequena e, confortavelmente, não teria como. "Não tem problema, estando com você tô feliz". Eu disse que ia chegar no Brasil e ver se, por acaso, teria um apto pra alugar e, então, veria o que fazer. E teria que ser no meu prédio.

E vim embora.
Moro no terceiro andar e descobri que tinha um apto no nono pra alugar. Começou bem !

Combinei com os filhos dela, e tive carta branca pra fazer e comprar o que precisasse.
E mãos à obra.

Corri atrás de fiador, aluguei o apto e comecei a montar o cafôfo.
Comprei mesa com 4 cadeiras, cadeira confortável pra ela fazer seu crochê, suporte pra colocar os pezinhos, cama-box bem igual a dela, mesinha de cabeceira, geladeira, fogão de duas bocas pra ela fazer seu bouillon, instalei telefone, TV a cabo pra ela ver os canais em francês e roupa de cama, utensílios de cozinha, etc. Tudo pra, no máximo, 2 pessoas. No caso de uma festança, pegaria as coisas da minha casa.

E comecei a desovar minha casa. Dei um limpa. Adorei! A casa tava entulhada demais. Levei quadros, pendurei nas paredes, enfeitei pra todo lado e o apto ficou fôfo. Muito mesmo! Claro, arejado, batia sol, coisa que o europeu preza muito. Enfim, pensei : "ela vai amar."

Era final de ano e, um amigo que mora em Paris, e viria passar o Natal com a família ficou incumbido de acompanhar a "encomenda". Ganhou até um upgrade da classe econômica pra primeira classe (oferta da filha dela).

E chegaram num dia super chuvoso, tiveram que fazer mudança de aeroporto no Rio, desceram aqui no aeroporto velho, saindo do avião direto na pista.

Mas ela tava feliz da vida. Achando tudo uma aventura.

Aventura que só tava começando. Chegando em casa, fomos tirando a roupa pra ela tomar um banho, até a calcinha tava molhada de chuva. Tadinha! Pinto molhado era pouco.

E a façanha continua no próximo capítulo.

A aventura só tava no primeiro dia.

7 comentários:

  1. Legal essa história, vou acompanhar sim.
    Abraço, Lana

    ResponderExcluir
  2. Estou ansioso para os proximos capitulos!!!:)


    Bisous!

    ResponderExcluir
  3. Oi Osimar, você já leu todos os capitulos? Tremenda figura humana essa polonesa. Semana que vem rola mais.
    bjins

    ResponderExcluir
  4. Oi, Iêda
    Por onde começa a estória da polonesa, tem capítulo I,II,III tá em ordem de postagens, fiquei perdida.
    Thuya
    Desculpe, tô ficando antíssima como a nossa amiga do blog.

    ResponderExcluir
  5. hhheeeeeee...você vai em "causus da polonesa" e comece a ler de baixo pra cima....aproeite
    bjins

    ResponderExcluir
  6. Claro Ieda, ja li tudo e lerei o vier. Maravilhoso! Bisous

    ResponderExcluir
  7. Pois me aguarde que semana que vem tem mais.
    bjins

    ResponderExcluir

Se você não tem conta no google, é só clicar em 'anônimo' para enviar seu comentário.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...