terça-feira, 8 de dezembro de 2009

Cultura, hábitos, costumes, língua, delicadeza, educação, tudo junto e misturado.






Uma das coisas que demorei a me acostumar - porque achar normal ainda não acho - com o povo do lado de lá do Atlântico, é não oferecer. Vou explicar.

Aqui no Brasil é super normal quando vamos comer alguma coisa, oferecer pra quem tá do lado. Pode ser em casa, no trabalho, onde for. Dependendo do lugar, até pra um estranho, por exemplo, um motorista de táxi, em uma fila de banco. Impossível tirar um chicletes e não oferecer pra quem tá te olhando. Pra nós, isso é super normal.

E também temos o costume de oferecer préstimos. No trabalho, se vou sair pra comprar um lanche, pegar uma água, mesmo se vou ao shopping, um supermercado, é super normal perguntarmos se alguém precisa de alguma coisa. "Quer que traga seu lanche?"

Na França - mais uma vez lá, mas foi onde fiquei mais tempo - tem isso não. É a coisa mais comum do mundo você estar com uma pessoa, na casa dela ou na rua, ela ir à geladeira, pegar alguma coisa ou comprar e voltar pra conversa, comendo feliz da vida. Nem sonham perguntar se a gente quer. É normal. Mas pra nós isso não é esquisito? Vai, pega um suco e volta bebendo tranquilo. Oferecer? Nadinha. Falta de educação? Acho que não. Costumes diferentes.

Então me lembro aqui da minha amiga polonesa (que já contei vários casos sobre a nossa convivência). Sempre que eu tava na casa dela e ia comer, beber, sair, perguntava. "Você quer? Precisa de alguma coisa? Aceita?" E parei de perguntar no dia que ouvi: "Não obrigada, quando eu quiser eu pego." Ouvi também: "Quando eu tenho fome eu como, não precisa me oferecer." OK. Parei. E era doido demais, porque realmente ela comia quando tinha fome, não tinha essa de hora do almoço, hora do jantar. Tomava um belo sorvete às 3 da manhã se tivesse com vontade ou fazendo calor. Como faz muito calor em Cannes, qualquer hora é hora.

E comia o que fosse, leve ou pesado, a hora que fosse. Primeira refeição às 3 da tarde ou podia ser às 9 da manhã.

Mas eu ainda fico muito desconfortável em não poder demonstrar, naturalmente, a minha gentileza.

Mais ou menos nessa linha, já vi várias vezes um ser lavar seu próprio copo, seu prato, seu garfo. Mesmo que na pia tivesse só mais um copo ou uma caneca, não tinha usado, não lavava.
Eu, hein! Povos. Culturas. Nem que vivamos por muitos anos com uma cultura diferente, jamais nos enquadramos total.

Observando, observando gente pelo mundo, fiz uma descoberta.
No quesito expressões de grande emoção, não importa em que país estiver a pessoa, não importa se nem um outro fale a língua dela, se ficou muito feliz, ou muito puto, muito indignado, a exclamação vai na língua pátria. Qualquer uma, inglês, francês, alemão, árabe, português.
Tanto faz.
O " filho da puta !!!", de qualquer língua , vai sempre no original....rs.
-----------------------------------------------------------------------------------
Esse blog também é cultura

son of a bitch - inglês
fils de pute - francês
κάθαρμα - grego
kurvin sin - croata
figlio di una cagna - italiano
hijo de puta - espanhol
jäveln - sueco

2 comentários:

  1. Costumes, costumes... por aqui não é muito diferente essa coisa de não oferecer. Como você já colocou no seu blog, fica posto!
    Conversandoc om uma aluna sobre o "filho da puta" em croata, ela disse que há uma variação "kurvin sine", para quando você grita muito alto, como se fosse um vocativo... sutilezas semânticas... só os locais pra perceber!!!
    beijinho

    ResponderExcluir
  2. Cada dia mais, eu sinto que tenho dias de vida de menos, pra aprender e ver tanta coisa ainda que quero.Eita mundão!!!

    bjins

    ResponderExcluir

Se você não tem conta no google, é só clicar em 'anônimo' para enviar seu comentário.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...