segunda-feira, 23 de novembro de 2009

Como ela entrou em minha vida e jamais saiu, mesmo depois de partir.









Minha amiga, que se foi "antes do combinado" como diz o Rolando Boldrim, era uma judiapolonesafrancesa. Com essa mistura, já dá pra imaginar a peça rara.

Morreu muito contra sua vontade, e a minha, aos 97 aninhos.

Morava sozinha em Cannes e era assistida por um filho que, quando queria sair de férias, me convocava pra ir passar um mês com ela. E eu ia.

Ela cuidou dela mesma até lá pelos 95. Tinha uma faxineira uma vez por semana mas o resto era por conta dela.

O que eu mais gostava quando chegava lá, e achava a coisa mais fôfa do mundo, é que ela tinha pendurado no pescoço uma espécie de reloginho-alarme. Em caso de necessidade, ela apertava o botão e tocava na casa do filho, no corpo de bombeiros, na zeladora do prédio e, se bestar, na casa do bispo.

Assim que eu abria a porta, e ela me via, a primeira coisa que fazia era tirar a corrente com o troço do pescoço e colocar na gaveta. Pode uma ação ser de maior responsa pra mim do que esta? E maior prova de confiança? Era tipo tá comigo tá com Deus. Ai meu Deus!

E repetia o ato na razão inversa, puta da vida, quando eu ia embora. Jamais se despediu de mim. Um ou até dois dias antes que ela sabia que eu iria embora, eu me tornava invisível. Ela voltava a morar só. Não falava comigo, nem olhava pra mim. Uma coisa de louco.

Essa senhora eu conheci quando fui ser babá do bisneto dela, em Paris. Hoje ele tem 20 anos. Desde então, a gente não se separou mais. Mesmo às vezes uma tendo ódio da outra e querendo só matar um pokim...rs.

Portanto, vou comecar a contar aos pouquinhos uma série de histórias muito boas dessa convivência. Como aprendi com ela... e espero que seja de bom aprendizado pra vocês também.

Me aguardem !

6 comentários:

  1. adorei a história!! e definitivamente voltamos a ser criança, ficar dois dias sem falar! Aposto que fazia biquinho de birra também!! hahahaha
    Ficarei aguardando outras histórias tão simpáticas quanto essa com certeza! ;)
    beijosss

    ResponderExcluir
  2. Linda essa história de colocar a corrente na gaveta... você é especial mesmo Tita
    Bjos

    ResponderExcluir
  3. Ô meu bem, obrigada, mas especial mesmo era ela você conheceu.
    bjins

    ResponderExcluir
  4. Amada,saudades...Histórias como essa me fazem lembrar vc sabe de quem...amanhã, 08 meses de saudades que não pára de crescer!
    Beijuuss n.c.

    www.toforatodentro.blogspot.com

    ResponderExcluir
  5. Eu aprendi com os meus 27 anos de saudades a curtir tudo que foi bom que a minha mãe me deixou, o tempo e tudo que aproveitei enquanto ela estava aqui....fica bem mais fácil do que sentir a falta. Vai por mim.
    bjins

    ResponderExcluir

Se você não tem conta no google, é só clicar em 'anônimo' para enviar seu comentário.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...