terça-feira, 24 de novembro de 2009

Doar é muito bom : de roupa a sangue, de sangue à medula.
















Minha amiga fazia crochê o dia todo. Todo mesmo. E era engraçado porque era sempre o mesmo modelo. Uma espécie de casaquinho. Um gilet, em francês.

E ficava num tal de faz, desmancha, faz, desfaz, refaz, que chegava um momento que a lã ia perdendo os fios e ficava finiiiiinha. Mas ela continuava. Tava nem aí !

Fazia com uma manga mais curta que a outra, não importava. Atrás mais curto que na frente. Muito engraçado. O pior, é que ela achava que tava legal, não via esses defeitos.

E os armários foram se enchendo, enchendo, que não cabia mais casaquinhos.

Numa dessas minhas idas lá, pensei em dar aquela tralha toda pra alguma creche, asilo, lá mesmo em Cannes ou pra uma instituição. Depositar nas caixas de doações que existem nas ruas.

Falei com ela e o mundo caiu. Quase explodiu a terceira grande guerra. Seu lado de comerciante aflorou.

"Como dar??? Você ficou maluca? Vou vender tudo, conheço um comerciante...etc e tal."

Comerciante de sei lá onde e sabe-se lá Jesus se ainda era vivo. Coisas do tempo dela. Tempo em que ela fazia chapéus maravilhosos pra grandes costureiros franceses.
Mas agora, quem compraria aquilo? Ninguém.

E piorou ainda mais quando a filha dela, como sempre sem paciência, disse que ia jogar tudo no lixo. A gente tem muito mais paciência com os pais dos outros, né mesmo? Entrei no meio da confusão e acalmei a situação.

Foi quando tive uma idéia brilhante: perguntei onde ficava o tal comprador e disse que ia lá fazer o negócio.
Ela topou e ficou achando o máximo eu valorizar o trabalho dela. Coitada! rs...rs.

Uns dois dias depois disso, peguei a tralha toda, coloquei em caixas e saí pra "vender". Coloquei tudo no carro e levamos pra doação. De lá fui ao cinema, dei uma voltinha, porque afinal um grande negócio não é feito em minutos. Crime perfeito. E voltei.

Voltei cheia de dinheiro (dela mesma) e entreguei a féria dizendo: "você tava certíssima. Vendi tudo, o cara adorou e tome aqui seu dinheiro."
Dei uma quantia boa pra ela e ainda quase arrumei uma inimizade, quando ela virou e falou pra filha: "tá vendo? Ainda bem que a Iêda tava aqui...e você querendo jogar tudo no lixo...pois sim!!!"

Ela nunca soube que doei tudo e que recebeu seu próprio dinheiro como pagamento! Mas valeu !
Ela ficou feliz e tenho certeza que os casaquinhos, mesmo não tão perfeitos, estão esquentando muita gente por aí.

5 comentários:

  1. Criolo, veja se o hemominas tem a ficha do papai, e vamos propor a ida dele pro guinss book

    ResponderExcluir
  2. Eles devem ter um arquivo, né? vou ver.
    bjins

    ResponderExcluir
  3. Com exceção, claro, da minha querida filha Juliana, que sempre me tratou com muito carinho e atenção.... Ela é a filha que eu mais amo!
    Kátia Flávia

    ResponderExcluir
  4. kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk!!!!!!!!!!! Pare de usar seu santo nome em vão........hhheeeeeeee
    bjins

    ResponderExcluir
  5. http://oblogprohomem.blogspot.com/2010/12/valeu-meu-dia.html

    ResponderExcluir

Se você não tem conta no google, é só clicar em 'anônimo' para enviar seu comentário.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...