quinta-feira, 25 de fevereiro de 2010

Grande Gullar, meu ídolo, poeta do povo!


O medo que estou sentindo, tá se espalhando. Melhor abrirmos, verdadeiramente, os olhos e os ouvidos pra o que está se passando em nossa terra. Olho nos nossos governantes!


RETROCESSO À VISTA
Ferreira Gullar

"O FIM DA utopia marxista, que apostava na derrota do capitalismo, deu lugar, na América Latina, ao neopopulismo que, fazendo-se passar por socialista, explora, em vez da contradição "classe operária x burguesia", a oposição entre pobres e ricos.
Se, no caso anterior, os sindicatos tentavam ser um instrumento de organização e mobilização do operariado para a tomada revolucionária do poder, agora constituem uma burocracia de neopelegos, que passaram a ocupar posições estratégicas no aparelho de Estado e na máquina política. Assim, pressionam o governo e os patrões para que façam pequenas concessões aos trabalhadores, com a condição de mantê-los quietos, enquanto eles, os neopelegos, enriquecem a se fortalecem politicamente.
A ascensão de Lula à Presidência da República foi resultado desse jogo e, ao mesmo tempo, um salto qualitativo para a elite sindicalista. As consequências disso para a democracia brasileira podem ser as mais desastrosas, como procurou mostrar Fernando Henrique Cardoso, num artigo recente, intitulado "Para onde vamos?".
O neopopulismo nada tem de revolucionário, como alardeia Hugo Chávez, travestido de líder esquerdista, mas que, na verdade, procura se perpetuar no poder usando o voto cativo dos pobres e miseráveis. Sustentado pelos vultuosos rendimentos do petróleo, mantém programas sociais assistencialistas, que lhe garantem vasta popularidade. Chavez aparece, diante do povão desinformado, como seu providencial protetor, que o defende de um lobo mau chamado Estados Unidos. Seu verdadeiro projeto é manter-se indefinidamente no poder e, para consegui-lo, fez o Congresso aprovar a reeleição ilimitada.
Lula tentou seguir o mesmo caminho, mas teve sua pretensão rejeitada numa pesquisa de opinião. Precavido, mudou de tática e terminou lançando, sem consultar ninguém de seu partido, a candidatura de Dilma como a solução possível. Invenção sua, se eleita Dilma será obrigada a fazer de Lula seu sucessor em 2014, e, assim, caso isso ocorra, teríamos mais oito anos de Lula na Presidência da República, o que somaria, no total, 20 anos de lulismo. Ou mais, muito mais, porque pode não parar aí, já que, àquela altura, as bases do neopeleguismo e do neopopulismo estariam amplamente assentadas e enraizadas em todo o país.
A ameaça é que, se já agora ele se rebela contra a ação fiscalizadora do Tribunal de Contas da União e pretende calar a imprensa, ou seja, não admite que ninguém critique ou cerceie suas decisões de governo, imaginem o que não fará durante tantos anos no poder. A História tanto anda para a frente como pode andar para trás.
O propósito de, chegado ao poder, não sair mais, faz parte da ideologia petista, como deixou claro José Dirceu, em visita a Madri, logo após a posse de Lula, em 2003, ao afirmar que o projeto deles era ficar pelo menos 20 anos no poder. Sim, porque, ao contrário dos outros partidos "burgueses", o partido que se intitula "revolucionário" alega que vem para "salvar" o povo e mudar o rumo da História. Logo, não pode se submeter às regras democráticas da alternância no poder.
Se é verdade que, a esta altura, o petismo já abriu mão do revolucionarismo, não admite perder as posições conquistadas. Lula, muito esperto, logo compreendeu que o Brasil não é a Venezuela. Sabe que, embora tenha maioria no Congresso, este jamais lhe concederia um terceiro mandato e muito menos a possibilidade de reeleição ilimitada. Por isso, adotou a tática de conseguir um mandato-tampão para Dilma, enquanto, às carreiras, procura implantar o PAC e aparecer, diante da nação, como um presidente empreendedor, que visa elevar o país à condição de "grande potência".
Assim age Chávez e assim agiu nossa ditadura militar. A fórmula é sempre aquela: inimigo dos poderosos e amigo dos pobres, defensor dos negros e mulatos, inimigo dos brancos de olhos azuis. Isso transparece, a todo momento, em suas declarações e discursos. Não faz muito tempo, falando aos catadores de lixo, criticou os "ricos" que, "deliberadamente, sujam a cidade" para que os lixeiros, humilhados por eles, a limpem.
É um presidente da República que, sem qualquer escrúpulo, faz questão de instigar ressentimentos e conflitos entre os cidadãos, jogar uns contra os outros. Isso no discurso, porque, na vida real, usa a máquina do Estado para favorecer grandes empresas nacionais e estrangeiras.
O artigo de Fernando Henrique Cardoso chamou a atenção para o perigo que o Brasil está correndo. Em vez de tentar criticá-lo, os formadores de opinião deveriam preocupar-se é com o interesse maior da sociedade. É de se esperar, também, que Serra e Aécio assumam a responsabilidade que lhes cabe diante deste perigo que o lulismo representa para o futuro democrático do País."


Deu na Folha de 24-02-2010

2 comentários:

  1. Ferreira Gullar foi uma dessas surpresas mais que agradáveis que a vida nos apresenta assim, de repente. Não gostava dele, sem saber porquê. Conheci o gajo no Rio, durante um congresso e caí de quatro, que simpatia... Mas ainda tenho alguam resistência quanto à poesia... Nada é erfeito!
    BEIJINHO

    ResponderExcluir
  2. Que bom meu bem.... Pois eu tenho ele tatuado nas minhas costas.
    bjins

    ResponderExcluir

Se você não tem conta no google, é só clicar em 'anônimo' para enviar seu comentário.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...