sexta-feira, 19 de fevereiro de 2010

Visitas ! Dois prazeres, duas alegrias : quando chegam e quando se vão.














Não é maldade, é a pura verdade!
Não existe coisa mais gratificante do que abrir a porta da minha casa pra receber um amigo, uma pessoa querida. Sentar, conversar fiado, colocar a prosa em dia, tomar um café, comer alguma coisa gostosa e rir. Rir muito, que sempre é o que mais acontece.

Moro sozinha e não consigo também pensar em uma melhor forma de morar. Então tô acostumada com minha casa por minha conta. Por isso, todos que frequentam o recinto, conhecem esse meu pensamento. Abrir a porta pra despedir é também muito bom. Tanto posso logo retomar meu dia, como também posso digerir com calma aqueles momentos ou horas ou dias que passamos juntos.

Aqui na roça francesa, onde me encontro, com um frio danado lá fora, o que mais fazemos é conversar o dia todo, comer e rir. E costurar também. Tenho feito coisas lindas. Quando o sol sai, lindo, minha amiga me empurra. "Não quer dar uma volta, tomar um sol?" E eu digo: "Tenho crédito de vitamina D pra tempo de vida que não vou viver ou mais! Carece não."

Hoje, o papo rolou sobre quando éramos crianças, coisas de criança, micos que nossos pais passaram conosco, e me lembrei de vários causus ótimos. Vou contar dois.

Primeiro eu, pra logo liquidar com o mico-mór.

Não sei porque cargas d'água, quando eu era criança, minha mãe não deixava comer mais que um ovo por dia. Mesmo que tivessemos dúzias em casa. Afinal, tinhamos galinheiro e galinhas poedeiras. Mas acho que devia ser uma idéia nutricional da época. Essas coisas que entram e saem de moda. Um dia pode, no outro mata.
Então, claro que meu sonho era me empanturrar de ovo. Bons tempos aqueles em que meu sonho se resumia em encher o meu pandeiro de ovo.... rs.
Fui convidada pra almoçar em casa de uma amiga de minha mãe. Só eu. Porque só eu, não me lembro. Devia de ter uns 7 anos.
E não é que na mesa tinha uma travessa cheia de ovos fritos, diferente da minha casa, que o ovo era colocado direto no prato de cada um...
Olhem, devo ter comido uma boa meia dúzia, por baixo. Me fartei, sem nenhuma repressão. Eita céu! Imaginem o que ela não deve ter pensado...
Muitos anos depois, já adulta, contei pra minha mãe, junto com a amiga, que não se lembrava, nem de minha pessoa almoçando com ela e muito menos dos ovos que comi, pra alívio da mamãe, que mesmo assim morreu de vergonha da cria mal criada.

O outro causu é de um grande amigo. Bom demais! O causu. . rs. Brincadeiriiiinha!

Ele era doido com broa. Adorava e sua madrinha fazia uma que era uma delícia. Criança não vai visitar madrinha porque é educado. Perigo! Ele ia por conta da broa.
E sua mãe, como toda mãe que se preze, morria de vergonha, porque ele já chegava pedindo broa. "Pode um menino mais mal-educado que esse?" Ela dizia e a madrinha ficava até orgulhosa do sucesso de seu produto.
Um dia, a mãe levando o meu amigo pra mais uma visita, deu um ultimato: "Nem sonhe em falar a palavra broa, senão te quebro de cascudo". Adotou a velha psicologia da ditadura, já que a conversa democrática não tava dando resultado. Preste atenção no que te digo: "Se abrir a boca e falar broa vai ter comigo".
O pobre foi, caminho a fora, repetindo o mantra: "Não broa, não broa, não broa".
Chegaram na casa da madrinha, bateram na porta, no que ela abriu, ele estendeu a mãozinha e disse compenetrado: "Bença broa!"

18 comentários:

  1. rsrsrs Vou te esperar, amada, com uma dúzia de ovos caipiras rsrs V.V.V.Viuuuuuuu?
    Beijuuss n.c.

    www.toforatodentro.blogspot.com

    ResponderExcluir
  2. Ui....sabe que hoje como um ovo na vida outro na morte? Procê vê.
    bjins

    ResponderExcluir
  3. Ocêis duas falaram em comer ovo, o que me lembrou do filme do Zezé de Camargo e Luciano, no qual o pai lhes socava um ovo cru goela abaixo (credo), prá melhorar a voz.
    E tudo isso para lhe perguntar sobre algo que não encontrei no blog:
    que tipo de música você gosta?
    Voltando ao post, um ovim fritim com a gema bem molim, é muito bão.
    Bjs.

    ResponderExcluir
  4. Tô com JC e naum abru rsrs só acrescento um tumatim picado e bem temperadinho. Aiiiii tududebão. Isso aqui tá virando blog gastronômico rsrs já temos a comida, o cafezim e a prosa! Amada, tá lembrando né? V.V.V.Viuuuu?
    Beijuuss n.c.

    www.toforatodentro.blogspot.com

    ResponderExcluir
  5. Regis meu bem, ainda demoro mais um tico porraqui. A situação tá ficando na reta de chegada. Infelizmente. Mas, é o curso natural da vida,né?
    bjins e quer coisa melhor que comer, comer e dormir???hhheeeee.......

    ResponderExcluir
  6. JC em matéria de musica eu sou uma metamorfose ambulante. Minha paixão de sempre, Gonzaguinha. Amo tudo, Noel, Cássia Eller fiha da puta que partiu muuuuito antes do combinado, Elis, Wilson das Neves meu amor, Ataulfo, Pixinguinha, Adriana Calcanhoto, Zezé de Camargo e irmão, Vivaldi, Mozart,Leonardo que adoro, então meu bem, já deu pra perceber o gosto mais eclético impossível. E na música como na vida....sem preconceito algum.
    bjins

    ResponderExcluir
  7. A história da broa me fez lembrar o oposto, que ocorria comigo. Meu pai mandava a gente "se comportar" em qualquer festa que a gente fosse. Mas não só mandava oralmente, dava um baita beliscão bem do lado da barriga, onde dói mais. Maldade... mas a gente ficava mumificado nas festas... Ô dó... Quanto às visitas, você disse a mais pura, cristalina, transparente irretocável, inquestionável e inamovível verdade: visitas são ótimas porque chegam e porque se vão! Com a vida, a gente aprende!
    beijinho

    PS: muito frio ainda na terra de Napoleão, como naterra das gravatas???!!!

    ResponderExcluir
  8. Pois é Juníssimo.Criança de antigamente sofria mesmo...rs. Hoje eles cagam e andam . E os pais idem. Aqui hj o sol tá rachando e até abri a janela do meu quarto pra arejar. Mas ontem nevou o dia todo.
    Quanto as visitas, o povo demorou a concordar comigo. Agora só falta concordar com o que bato na tecla desde mil anos. Casal foi feito pra morar cada um na sua casa. Morar junto deteriora.
    bjins

    ResponderExcluir
  9. Minina, aqui não neva hoje (depois de quase duas semanas nevando fininho), mas chove, aquela chuvinha melequinha. Com a graça de Deus, a neve suja está indo embora... Ui! Mas o frio continua, menos intenso, mas de pé...
    Quanto aos casais, pode ser... Penso como você, para mim. Não suportaria ficar "all the way" acordando e dormindo com alguém, esbarrando em alguém... Mas há quem goste. Concordo com você: o mesmo teto deteriora mesmo, mas há quem suporte... Fazer o quê???!!!
    beijinho

    ResponderExcluir
  10. Ai emi completamente auti de morar com quem quer que seja...rs.
    bjins

    ResponderExcluir
  11. Caríssima, boa tarde.
    Quanto às músicas, sou também muito eclético ou melhor, gosto do que me agrada ouvir, desde, é claro, que seja uma música e não estes barulhos que fazem por aí. Todavia defendo seu direito de existir, mas não os escuto.
    Como estou beirando 6 décadas de vida, escutei muita coisa que, graças ao milagre da Internet, consegui recuperar.
    E não se trata de pirataria, mas sim da completa impossibilidade de se encontrar tais músicas.
    Algumas (Nelson Gonçalves, Tonico e Tinoco, p. ex.), copiei dos LPs de meu pai, outras o bom e velho EMule me trouxe.
    Outro dia pensei em ordenar um pouco as músicas que estão no pc, gravando-as em CD. Não deu, tenho mais de 40 Gigas gravados. A solução foi comprar um HD externo e fazer backup. Aproveitei e guardei também as minhas fotos.
    Finalizando, duas coisas:
    1- Cássia Eller, Elis e muitos outros são mesmo uns fdp por acabarem com a sua vida e o maravilhoso talento que Deus lhes deu;
    2- cadê as novas músicas de Chico, Milton e outros grandes autores? Será que só na ditadura eles encontram a inspiração ou o bolso cheio de grana acabou com ela?
    Querida, este é um assunto para café da manhã, almoço e jantar, mas paro por aqui.
    Bjs.

    ResponderExcluir
  12. Sabe JC quanto a Chico e Milton, até prefiro que não façam nada pra não desfazerem a bela imagem que deixaram. O Milton hj, digo hoje pq não nego tudo dele que amo, mas hj é chato pra cacete. Não tenho paciência de ouvir.
    bjins

    ResponderExcluir
  13. Esse é um aspecto que eu não havia percebido e concordo plenamente.
    Como minha inspiração não enche um dedal(será que o povo sabe o que é isso?), fico me perguntando: cadê a inspiração desses artistas, porquê deixaram de produzir as maravilhas que produziram?
    Será que são fases da vida que se vão e não mais retornam???
    Bjs.

    ResponderExcluir
  14. Acho que tudo tem um tempo Zé. São raras as fontes que não secam.
    Aproveito pra agradecer. Vc me fez lembrar de uma história muito linda e triste pra caralho, que conto nessa segunda feira.Vá lá ver se gosta.
    bjins

    ResponderExcluir
  15. Essa foi BROA mesmo! hahaha
    Adorei seu blog. Vou ficar por aqui.

    Beijinho.

    ResponderExcluir
  16. Seja bem vinda Thica. Some não
    bjins

    ResponderExcluir
  17. Na minha casa tb só podia um ovo!
    Mas depois que aprendi a dobrar a mãe e a empregada... eu podia dois!!
    Ah, detalhe: era ovo quente. Clara dura e gema mole! Delícia!!
    Claro que meu sonho era comer 3, 4, 5... rsrs

    Adorei a cara nova do blog!
    Bjo,

    Barbara

    ResponderExcluir
  18. Brigadim meu bem. Agora, depois da overdose, tô mais chegadinha num japonês.Me aguarde.
    bjins

    ResponderExcluir

Se você não tem conta no google, é só clicar em 'anônimo' para enviar seu comentário.